22 de outubro: Dia Internacional de Atenção à Gagueira

O alerta para essa data existe desde 1998 e começou na Califórnia, nos Estados Unidos. É um dia de conscientização em que os profissionais dividem conhecimento e dão suporte às pessoas que gaguejam. Considerado um distúrbio, a gagueira causa impactos na vida das pessoas e abalos emocionais, pois em alguns casos é motivo de piada, riso e até bullying.

O que faz uma pessoa desenvolver a Gagueira?

A gagueira é um distúrbio crônico no tempo de execução dos sons, sílabas, palavras e frases. Cada som da fala tem um tempo usual para ser falado e esse tempo depende da região onde a fala é produzida. No caso da gagueira, alguns sons demoram mais para serem ditos e aí que afeta a fluência – representa a suavidade e facilidade com que os sons, sílabas, palavras e frases são produzidas ao longo da fala. No caso de pessoas com gagueira, a produção da fala é trabalhosa e a ligação entre sons, sílabas, palavras e frases não é automática ou espontânea, como ocorre com quem não tem a condição. A maior incidência é registrada na fase infantil – entre 2 e 3 anos – período de desenvolvimento da fala e pode continuar (ou não) na vida adulta
Aproximadamente 2 milhões de brasileiros são afetados pela gagueira durante o desenvolvimento da linguagem.

Causas e sintomas

A gagueira é vista pela ciência como um distúrbio causado por diversos fatores. “Até hoje não existe uma causa definida e nem um por quê para a pessoa apresentar a gagueira, mas acredita-se em fatores predisponentes (genéticos e neurológicos), fatores precipitantes (predominantemente ambientais) e fatores perpetuantes (emocionais)”, destacou a Dra. Priscylla Maciel Portela Esteves, fonoaudióloga do Hapvida Saúde.

As crianças podem começar a apresentar sintomas como dificuldades em concluir a fala/palavras, apresentar prolongamento das sílabas ao falar e tensão corporal, mostrando esforço ao tentar emitir a palavra.

Mas existe tratamento, cura e prevenção para esse tipo de distúrbio?

De acordo com a fonoaudióloga, existe tratamento sim para a gagueira. “Ao menor sinal, leve seu filho para um profissional qualificado na área que fará uma avaliação detalhada e dará início ao tratamento, caso seja preciso. Não considera-se que tem cura, mas com tratamento adequado, a criança consegue se adequar a seus padrões de fala, sabendo lidar com seus momentos de bloqueios e, em muitos casos, a gagueira fica quase imperceptível. Não há como prevenir o surgimento da gagueira, contudo é possível obter a não evolução do quadro e, também, a sua remissão. A prevenção principal é a observação dos sinais, não deixar passar e achar que é uma fase da criança”, finalizou.