Prefeitura diz que aguardará orientação do MS sobre vacinação em adolescentes

Após o anúncio da suspensão da vacinação para adolescentes de 12 a 17 anos, pelo Ministério da Saúde, a Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal de Saúde (Semus), se posicionou e enviou uma nota de esclarecimento sobre o caso e solicita orientação para adotar novas diretrizes na campanha municipal de vacinação, pois, de acordo com a prefeitura, todos os adolescentes da capital receberam a primeira dose da vacina contra a Covid-19.

Na nota, a prefeitura reforça a solicitação do Ministério da Saúde, que recomenda a aplicação apenas para adolescentes com deficiência permanente, adolescentes com comorbidades e adolescentes que estejam privados de liberdade.

Além disso, a Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informa que aguarda maiores esclarecimentos, pois para garantir a imunização contra a doença, é necessário receber as duas doses do imunizante.

Uma nota técnica anterior do Ministério da Saúde, também de setembro, recomendava que a imunização dos adolescentes tivesse início ontem (15), com a ressalva de que os que não apresentassem comorbidades deveriam ser os últimos a ser vacinados.

Segue a nota da Prefeitura de São Luís.

A Secretaria Municipal de Saúde (Semus) informa que a capital maranhense já vacinou 100% dos adolescentes de 12 a 17 anos cadastrados na plataforma Vacina São Luís. Nesta quinta-feira (16), a Semus recebeu Nota Informativa n°1, de 2021, expedida pela Secretaria Extraordinária de Enfrentamento à Covid-19 do Ministério da Saúde, recomendando que a vacinação deve ficar restrita a adolescentes com deficiência permanente, adolescentes com comorbidades e adolescentes que estejam privados de liberdade.

Por fim, a Semus ressalta que a Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta a garantia de aplicação das duas doses para completar o ciclo de vacinação e garantir a imunização da população. Neste sentido, a secretaria tem mantido contato com o Ministério da Saúde e outros órgãos, como o Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass) e a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), e aguarda maiores esclarecimentos para adotar novas diretrizes na Campanha Municipal de Vacinação.