Brasil conquista 100 medalhas de ouro em Jogos Paralímpicos

O Brasil alcançou a centésima medalha de ouro em jogos paralímpicos. Assim como o primeiro ouro em Paralimpíada, o de número 100 veio com o atletismo. Yeltsin Jacques, que tem o Bolsa Pódio, principal categoria do programa Bolsa Atleta, do Governo Federal, subiu ao lugar mais alto do pódio e ainda bateu o recorde mundial nos 1.500m da classe T11.

“Sempre fui muito patriota, então pra mim foi uma honra. Não corri pelo recorde, corri pela medalha porque sei que ia contar para o Brasil, ajudar no quadro de medalhas, e para ter mais uma vez a honra de ouvir o hino do Brasil no lugar mais alto do pódio”, disse Yeltsin. Essa foi a segunda medalha de ouro do atleta nos Jogos Paralímpicos de Tóquio. “Agora vem a maratona, vamos trabalhar”, completou.

Nos Jogos Paralimpícos de Tóquio, o Brasil está em sexto lugar no ranking mundial com 42 medalhas, sendo 14 de ouro, 11 de prata e 17 de bronze.

Incentivo ao esporte paralímpico

Ao longo dos anos, o esporte paralímpico cresceu em profissionalização e investimentos e, desde a edição de Pequim, em 2008, o Brasil está entre as dez nações com maior destaque em jogos paralímpicos. E já está entre os 20 países com mais medalhas acumuladas na história.

Ouros brasileiros

O atletismo é a modalidade com maior número de ouros em paralimpíadas, seguido pela natação. Daniel Dias, da natação, é o maior medalhista com 14 ouros. A principal medalhista em paralimpíadas entre as mulheres é Ádria Santos, do atletismo, com quatro ouros.