Mulher paga 15 mil para mandar matar companheiro na região Metropolitana

A Polícia Civil do Estado do Maranhão investigou e elucidou crime de homicídio qualificado e deu cumprimento a dois mandados de prisão e de busca e apreensão nos bairros Pirapora e Vila Luizão. A Operação Viúva Negra encerrou a primeira fase da investigação do crime contra Charles Cutrim de Sousa, vítima de disparos de arma de fogo na porta de sua residência, no Residencial Renascer, Maiobão. De acordo com a polícia, a esposa é a principal suspeita de ser a mandante do crime.

No primeiro momento, o crime foi repassado como um possível latrocínio, mas com o andamento das investigações já no local de crime, pelo Plantão Central de Homicídios e pela investigação de seguimento realizada pela Delegacia de Homicídios da Área, apontaram a morte como verdadeiro homicídio. Com o aprofundamento das investigações, restou comprovado que a própria companheira da vítima contratou dois homens para que executassem a vítima, mediante pagamento da quantia de 15 mil reais entregando R$ 1.500 como “entrada” e o restante do valor dividido em parcelas de R$ 700,00, pagas via depósito bancário.

Segundo a confissão da mandante, ela assim agiu em razão da vítima não aceitar o fim do relacionamento e ameaça de morte caso se separassem. A vítima era empregado da empresa Vale e além do patrimônio pessoal, possuía seguro de vida. Os dois presos foram encaminhados para o sistema prisional da capital. O caso segue sendo investigado pela Delegacia de Homicídios da Área Norte/SHPP/PCMA.

Nova prisão

Na manhã desta quinta-feira (26), em articulação com a DHPP/Curitiba e Delegacia de Maringá (PR), foi realizada a prisão temporária de um terceiro suspeito no caso. Segundo a polícia, ele é o executor do homicídio. Ele foi preso com uma arma de fogo e, em seguida, foi solicitada a transferência do preso para a capital.