Prefeitura promove mutirão para atualização do CadÚnico na Zona Rural

A Prefeitura de São Luís, por meio da Secretaria Municipal da Criança e Assistência Social (Semcas), seguindo recomendação do prefeito Eduardo Braide, iniciou o mutirão para a atualização do Cadastro Único (CadÚnico).

A ação, que também engloba a realização de novos cadastros, teve início no bairro Quebra-Pote, através do Centro de Referência de Assistência Social (Cras) do Maracanã, bairro que receberá o próximo mutirão. As ações têm seguido todas as regras sanitárias. 

Para atualizar o CadÚnico, são necessários documentos pessoais do cadastrado (certidão de casamento, nascimento, RG e CPF) e membros da família, comprovante de endereço e título de eleitor. A atualização é realizada nos Centros de Referência de Assistência Social (Cras), de segunda a sexta-feira, das 8h às 18h

A secretária da Semcas, Rosângela Bertoldo, explica que a iniciativa deve beneficiar, aproximadamente, 70 mil pessoas.

“A pandemia, por motivos óbvios, induziu a queda da procura pelos Cras para realização desse tipo de atendimento, e o próprio Governo Federal deixou de exigir essa manutenção, contudo, com a perspectiva da volta da normalidade, mesmo que a médio prazo, a qualquer momento essa recomendação pode não existir mais e muitas pessoas serão prejudicadas, e o prefeito Eduardo Braide quer evitar exatamente isso; por isso essa mobilização das nossas equipes para que as pessoas tenham garantido seu cadastro atualizado”, esclareceu a gestora. 

O CadÚnico dá acesso a uma série de programas e benefícios dos governos municipal, estadual e federal e a não renovação dos dados acarreta na perda desses benefícios e exclusão de programas sociais. Para evitar que isso ocorra, a atualização deve ser feita a cada dois anos, ou quando houver mudanças na configuração familiar, de renda, endereço ou escola dos filhos. No Quebra-Pote e adjacências, cerca de 325 pessoas precisavam fazer a atualização e no Maracanã, 940 pessoas estão com o CadÚnico desatualizado.

Moradora do Quebra-Pote, Israelinda Santos, 38 anos, vive de faxinas esporádicas e fala sobre a importância do trabalho da Prefeitura. “Nossa, é muito bom. Acho que meu cadastro está desatualizado há uns quatro anos, e a própria dificuldade em pagar transporte para sair daqui e ir até o Cras, dificulta”, disse a moradora.