Dom Gilberto Pastana é nomeado novo arcebispo da Arquidiocese de São Luís

A Arquidiocese de São Luís celebrou, neste domingo (18), a acolhida do novo arcebispo de São Luís, Dom Gilberto Pastana. A solenidade aconteceu no Parque São João Paulo II, no Aterro do Bacanga, Centro, e reuniu o arcebispo emérito de São Luís, Dom José Belisário da Silva, convidados do clero do Maranhão e autoridades civis.

“Nós valorizamos muito a presença de todas as religiões em nosso estado porque eles nos ajudam no trabalho social. E, também, evidentemente, na sua missão específica, própria, do trabalho religioso, organizada muito fortemente em nosso estado. E, especialmente, nesse momento de troca do arcebispo de São Luís. E, por isso, resolvemos fazer essa homenagem, para registrar o nosso agradecimento ao cidadão e líder religioso, Dom Belisário, ao mesmo tempo em que saudamos a presença do Dom Gilberto. Tenho certeza que a marca do diálogo entre a igreja e a política pública irá continuar, é isso que nós buscamos”, declarou o governador durante o evento.

“Estamos felizes com a chegada de Dom Gilberto Pastana a São Luís. Tenho certeza que nossa Arquidiocese se engrandece com sua presença. A fé nos traz forças para superar os desafios que a pandemia tem imposto, por isso, desejo que seu pastoreio seja luz para nossa cidade e para todo o nosso estado. Que Deus o abençoe em sua nova missão”, destacou o prefeito Eduardo Braide.

O público em geral e fiéis puderam acompanhar ao vivo pela TV Nazaré / Fundel São Luís (canal aberto 43.1), YouTube da Arquidiocese de São Luís e Rádio Educadora AM 560. Veículos de comunicação do Pará, Ceará e de outras cidades maranhenses também transmitiram o evento.

A celebração foi iniciada pelo vigário geral da Arquidiocese de São Luís, padre Antônio José, que fez a saudação inicial. Em seguida, foi feita a leitura da Bula Episcopal de nomeação de dom Gilberto Pastana como novo arcebispo de São Luís, enviada e assinada pelo Papa Francisco. 

Dom José Belisário da Silva foi nomeado o sétimo arcebispo da Arquidiocese de São Luís do Maranhão pelo Papa Bento XVI em 2005, e se aposenta agora por idade. Citando os escritores Mário Quintana, João Cabral de Melo Neto, Ariano Suassuna e os santos São Francisco de Assis e São Paulo, o agora arcebispo emérito de São Luís fez uma reflexão sobre seus quase 16 anos à frente da arquidiocese metropolitana. 

“Estes quase 16 anos passaram rapidamente. Agora volto para a cidade de onde vim, Belo Horizonte, para a minha família franciscana, com uma enorme dívida – dívida de amor e gratidão. Essa dívida não me é pesada, pelo contrário, é uma dívida que quero carregar para o resto da minha vida com muito carinho. Faço votos de alegria ao pastoreio de dom Gilberto Pastana em São Luís e que Deus o abençoe em sua nova missão”, disse, emocionado, dom José Belisário da Silva. 

Após receber de dom José Belisário o báculo da Arquidiocese Metropolitana de São Luís, dom Gilberto Pastana passou a presidir a celebração como novo arcebispo.

“Foi confiando em Jesus que aceitei a nomeação feita pelo Papa Francisco e esta nova missão na vida sacerdotal. Agradeço a dom José Belisário pela sua ação evangelizadora ao longo destes 16 anos e asseguro a todos que me empenharei dar continuidade ao legado de meus antecessores ao lado dos membros do clero do Maranhão”, disse dom Gilberto Pastana em sua homilia.

Dom Gilberto Pastana de Oliveira é paraense da cidade de Boim e tem 64 anos. Sua ordenação sacerdotal ocorreu em 27 de julho de 1985, na paróquia Cristo Libertador de Santarém (PA). É mestre em Teologia Espiritual pela Faculdade Teresianum, em Roma. Foi nomeado bispo de Imperatriz (MA) pelo Papa Bento XVI, em 2005, função que exerceu até 2016, quando o Papa Francisco o nomeou bispo coadjutor da diocese de Crato (CE) até sua nomeação como bispo diocesano. 

Encerrando a celebração de acolhida foram feitos os pronunciamentos oficiais do prefeito de São Luís, Eduardo Braide; de Geraldo Pastana, irmão do novo arcebispo metropolitano de São Luís; da irmã Marilurde Sousa, representando as comunidades religiosas locais; Magnólia Oliveira, representante dos leigos; de dom Sebastião Bandeira, do Regional Nordeste 5 da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), entre outras autoridades presentes.