São Luís é a primeira capital a encerrar a vacinação de jovens de 18 anos sem comorbidades

São Luís se tornou, nesta terça-feira (22), a primeira capital brasileira a encerrar a vacinação de jovens de 18 anos sem comorbidades. O prefeito Eduardo Braide acompanhou o atendimento nos centros municipais de vacinação. Em cinco meses de campanha, 80,01% da população adulta da cidade recebeu a primeira dose do imunizante. 

“São Luís é a primeira capital a vacinar jovens de 18 anos sem comorbidades. Com isso vacinamos todos os públicos prioritários estabelecidos pelo Plano Nacional de Imunização e todas as faixas etárias. Quem ainda não conseguiu tomar a primeira dose da vacina pode ficar tranquilo, assim que recebermos mais doses vamos iniciar um novo calendário de segunda chamada até chegarmos a 100% da nossa população adulta vacinada. Nossa cidade vai seguir sendo a capital brasileira da vacina”, assegurou o prefeito Eduardo Braide, destacando o empenho das equipes de saúde municipais e o seu compromisso em salvar vidas por meio da vacinação. 

Esther Dutra, 18 anos, recebeu a primeira dose do imunizante no Centro Municipal de Vacinação (CMV) da Universidade Estadual do Maranhão (Uema). “Fiquei muito aliviada por poder me vacinar logo. Na minha família só faltava eu. Agora é esperar a segunda dose”, comentou.

Próximas etapas 

Com a vacinação dos jovens de 18 anos sem comorbidades, a Prefeitura de São Luís já se prepara para as próximas etapas da campanha de vacinação contra Covid-19. 

“Nossa prioridade será a vacinação dos retardatários. Tivemos pessoas que não se vacinaram por não conseguirem sair a tempo do trabalho ou por terem outro compromisso no mesmo dia. Além disso, muitas estavam gripadas ou contaminadas pelo novo Coronavírus e foi preciso dar tempo para que elas se recuperassem. Todas estas pessoas serão convocadas novamente assim que recebermos mais doses de vacina”, disse. 

O prefeito Eduardo Braide também esclareceu como fica a situação dos adolescentes de 12 a 17 anos. “A Anvisa já autorizou o uso da vacina da Pfizer para este público. No entanto, é preciso primeiro que o Ministério da Saúde inclua esta parcela da população no Plano Nacional de Imunização e encaminhe doses específicas para que eles sejam imunizados. Nós temos a estrutura e o planejamento necessário para vacinar todos os adolescentes de 12 a 17 anos assim que tivermos vacina”, afirmou.