Policiais são afastados após morte de jovem que desejou “boa sorte” à Lázaro Barbosa

Três policiais civis lotados no município de Presidente Dutra foram afastados das suas funções. Os agentes são suspeitos da morte de um jovem de 23 anos, que possuía transtornos mentais e que teria desejado “boa sorte ” à Lázaro Barbosa, na última sexta-feira (18).

Hamilton Cesar Lima fez uma postagem nas redes sociais, desejando “boa sorte” à Lázaro Barbosa, procurado a mais de 12 dias, pela polícia em Goiás. Por conta da postagem, os policiais foram até a casa do jovem e no local teriam efetuado disparos que atingiram o homem, ele foi socorrido, mas morreu no hospital.

Em nota a Polícia Civil do Maranhão (PCMA) informou que após receber denúncias de moradores, atendeu uma ocorrência de ameaça e apologia ao crime em uma residência no bairro Calumbi em Presidente Dutra. Ao chegarem ao local, o suspeito não acatou a ordem policial e atacou os civis com uma faca, e para ser contido, os policiais fizeram disparos e onde um dos tiros atingiu Hamilton.

O jovem ainda teria sido levado ao hospital com vida, mas acabou não resistindo. A família do rapaz contesta a versão, e nega que a vítima estivesse armada no momento da ação. Um inquérito policial foi instaurado para apurar as circunstâncias da ocorrência, que será acompanhada pelo Ministério Público e posteriormente encaminhada à justiça.

Confira a nota enviada pela Polícia Civil

A Polícia Civil do Maranhão (PC-MA) informa que na última sexta-feira (18), após denúncias de moradores, atendeu uma ocorrência de ameaça e apologia ao crime em uma residência no povoado de Calumbi.

Ao chegar no local, o suspeito não acatou a ordem policial, atacando os agentes com uma arma branca (faca). Para conter a situação, policiais atiraram e um dos disparos atingiu o rapaz, que foi socorrido pelos policiais, levado ao hospital com vida, mas acabou vindo a óbito.

A Polícia Civil do Maranhão lamenta profundamente o fato e se solidariza com a família. Pontua, ainda, que um inquérito policial foi instaurado para apurar as circunstâncias da ocorrência que será acompanhado pelo Ministério Público e que posteriormente será encaminhado ao Poder Judiciário.
A Secretaria de Estado de Direitos Humanos (Sedihpop) também está acompanhando o caso.