Conheça história do Cacuriá de Dona Teté

A dança tipicamente maranhense o cacuriá, surgiu como parte das festividades do Divino Espírito Santo a festa que ocorre no dia de Pentecostes, sete semanas após a Páscoa, com a intenção de celebrar o dia em que o Espírito Santo teria descido para encontrar os doze apóstolos.

Mas vamos falar do cacuriá mais popular do Maranhão, pois bem, a brincadeira popularizada por Dona Teté, em 1986, mas sua inspiração surgiu muito antes, quando a menina Almerice da Silva Santos (Teté), nascida em 1924, no bairro do Batatã no Coroadinho, em São Luís, aprendeu a tocar Caixa do Divino, aos 8anos de idade.

Muito tempo depois ela iniciaria a vida artística, aos 50 anos de idade, participando das festividades do Divino Espírito Santo, promovidas pelo folclorista Alauriano Campos de Almeida (Seu Lauro), na Vila Ivar Saldanha. Com essas influências e mais o apoio do Laborarte, nasceu o Cacuriá de Dona Teté em 1986.

O rebolado sensual e polêmico da dança ganhou destaque por onde passava. O grupo de Cacuriá do Seu Lauro recebeu um convite do Laboratório de Expressões Artísticas (Laborarte) para ensinar o toque de caixa do Divino para uma peça teatral. Foi aí que Dona Teté assumiu o posto de mestre e passou a repassar seus ensinamentos.

Daí em diante a brincadeira só cresceu e se tornou referência para os outros grupos no Maranhão, sendo reconhecido como um grande expoente das manifestações tradicionais brasileiras.