“Em agosto temos tudo para voltar as aulas de forma híbrida”, diz Felipe Camarão

Volta às aulas em formato híbrido no mês de agosto, escolas dignas e kits de higiene para meninas foram os temas discutidos pelo secretário estadual de Educação, Felipe Camarão, nesta quarta-feira (2), em entrevista ao Bom Dia Maranhão. Além disso, o secretário afirmou que mais de 121 mil profissionais da educação já foram vacinados no Maranhão e a expectativa é que até o mês de agosto todos os profissionais sejam vacinados com a segunda dose.

“Nós acreditamos que com os protocolos rígidos de segurança, colaboração dos docentes, estudantes e funcionários nós pretendemos fazer um retorno híbrido a partir de agosto. O calendário escolar está em dias na rede estadual, as férias estão programadas para o mês de julho e em agosto temos tudo para voltar de forma híbrida”, destacou Felipe.

Além disso, o secretário disse que terá um franco diálogo com os profissionais da educação e avançará as tratativas com o Sindicato dos Professores, com o Ministério Público, Conselho de Educação, gestores, estudantes e as famílias. “Estamos com um prejuízo sociológico terrível com as escolas fechadas, pois vamos completar um ano e meio nesse modelo de ensino”, disse.

Uma das barreiras para esse atual momento na educação do país e, também, no Maranhão, de acordo com o secretário, é a falta de infraestrutura, falta de internet e aparelhos para que os estudantes tenham acesso as aulas remotas. “Nossas aulas não são em formato EAD, temos aulas presenciais que estão, temporariamente, remotas. Claro que tem que ser feito com carinho e cuidado, em razão da pandemia que estamos passando para encontrar o melhor caminho.

Escola digna

No mês de maio foram construídas 24 obras educacionais e, até o momento, foram 16 obras em junho. A expectativa é que quando voltarem as aulas presenciais, a rede física de infraestrutura esteja preparada para receber os estudantes. Felipe informou que o programa já chegou em várias cidades e caminha para alcançar todos os municípios do Maranhão.

Pobreza menstrual

Outro tema abordado foi a pobreza menstrual, um projeto que entregará kits de higiene para as meninas para que possam ter a mesma oportunidade que o público masculino. “Um dos problemas do público feminino é a menstruação, que atinge 25% das meninas de 14 a 16 anos, que não tem condições de comprarem absorventes, ficando de 30 a 45 dias sem frequentar a sala de aula. Agora, iremos enfrentar com muita seriedade e vamos fazer a distribuição desses kits para todas as meninas acessarem as escolas de forma normal”, finalizou Felipe Camarão.