Flávio Dino mantém decreto e projeta volta as aulas após vacinação dos educadores

O Governador Flávio Dino está otimista com os resultados e a baixa nos números de infectados e desocupação dos leitos destinados a Covid-19. Nesta sexta-feira (16), o governador, por meio de transmissão online, estendeu o decreto atual até o dia 25 de abril para continuar o combate contra a pandemia no Maranhão. O governador destacou também as ações que estão sendo realizadas para diminuir os prejuízos financeiros e apoio a população, com distribuição de máscaras e entrega de alimentos.

Entre as medidas continuam suspensas os eventos e os bares e restaurantes podem funcionar até as 22h. Além disso, os supermercados funcionam de 6h as 0h e o comércio e indústria de 9h as 21h.  As academias, salões e supermercados só podem funcionar com 50% de ocupação, assim como as igrejas. A administração pública continua com funcionamento de 50% em ritmo de revezamento.

Flávio Dino anunciou que na próxima segunda-feira (19) será lançada a Rede Cuidar, que realizará atendimento aos pacientes com sequelas pós-Covid, além de acompanhamento psicológico para familiares vítimas de Covid-19.

A rede contará com atendimentos de especialistas nas áreas da Cardiologia, Nefrologia, Endocrinologia, Neurologia, Clínica Médica, Psiquiatria, Nutrição, Fisioterapia, Fonoaudiologia e Psicologia. O serviço será disponibilizado no anexo do Hospital Carlos Macieira, Policlínica Santa Inês, Policlínica Presidente Dutra e Macrorregional em Imperatriz.

Vacina

O governador anunciou que dará início, no dia 20 de abril, a vacinação para profissionais da educação para os setores público, privado e federal, para colaboradores com idade a partir de 55 anos.

Até o dia 15 de abril, o Maranhão recebeu 1,34 milhão de doses de vacina e distribuiu 1,21. Porém, até o dia 15 de abril foram aplicadas pelos municípios somente 839 mil doses. Por outro lado, 121 municípios ultrapassaram acima dos 70%.

“Provavelmente já passamos do ápice e estamos retomando o patamar que tínhamos no final do ano, o que não representa a eliminação do vírus. Apenas com a vacina podemos falar em sustentabilidade e por isso a vacinação é um fator decisivo nessa erradicação”, destacou o governador.