Conselho Regional de Enfermagem defende lockdown para evitar colapso

Um dia após o Maranhão registrar o  5.344  mortes por Covid-19 desde o início da pandemia, o Conselho Regional de Enfermagem do Maranhão (COREN- MA) em consonância com o Conselho Federal de Enfermagem (COFEN),  divulgou comunicado sobre a necessidade de “bloqueio total das atividades não essenciais em todo o território nacional” ou seja, o lockdown.

Segundo o presidente do COREN-MA, José Carlos Júnior, os profissionais da enfermagem, que estão na linha de frente na luta contra a Covid-19, necessitam de assistência.  

“Nem todos os profissionais da enfermagem estão vacinados e colocam a vida em risco com a quantidade crescente de pessoas nos hospitais”, afirmou José Carlos.

O conselho reforça a necessidade de extensão do auxilio emergencial para a população de baixa renda,  pede a ampliação dos leitos em unidades de terapia intensiva, a testagem em massa, para melhor controle das transmissões, e a redução da circulação de pessoas. 

No texto o COREN-MA também cita os percentuais de ocupação das UTIS e ressalta que já enviou ofícios para os gabinetes do Governo do Estado do Maranhão e Secretaria de Estado de Saúde do Maranhão solicitando audiências com os governantes para chamar a atenção de medidas urgentes e articuladas.