Governador do RS propõe medidas de restrições mais drásticas

O governador do Rio Grande do Sul, Eduardo Leite anunciou, em reunião virtual com a Federação da Associação de Municípios do Rio Grande do Sul (Famurs) na tarde desta quinta-feira (25), que tomou a decisão de suspender temporariamente a cogestão no modelo de distanciamento controlado.  A proposta de Leite é que a cogestão seja suspensa por um período de uma semana, de sábado a domingo, e reavaliada caso seja necessário uma prorrogação.

No momento, há 11 regiões do RS no mapa da covid-19 em bandeira preta, de altíssimo risco, com regras que as aproximam de um lockdown. Assim, as cidades que estão nas 11 regiões e tomaram medidas mais flexíveis do que as estabelecidas nesta faixa, como Porto Alegre, terão de aumentar suas restrições. Inicialmente, a norma, que traz consigo restrições rigorosas de circulação de pessoas, valerá por uma semana. Leite antecipou que todo o Estado do Rio Grande do Sul deve ser colocado em bandeira preta na rodada de classificação desta sexta-feira.

 “Pode ser momento de centralizar a gestão. Quero ouvir os prefeitos, mas entendo que precisamos de um comando único. Não é que o governador queira passar por cima dos prefeitos, mas a situação que temos hoje impacta todos os gaúchos, mesmo nas regiões que não estejam em bandeira preta”, disse.

 Após a decisão, Leite fez diversas manifestações públicas pedindo cautela e responsabilidade dos prefeitos frente a uma situação crítica que coloca a rede estadual de saúde beirando ao colapso, com mais de 90% dos leitos de UTIs ocupados.