Mais de 50 casarões do Centro Histórico de São Luís correm risco de desabar, diz Defesa Civil

Com o período de chuvas intensas algumas situações de risco já começam a surgir em São Luís. Como é o caso dos casarões do Centro Histórico, cerca de 51 casarões correm o risco de desabar, de acordo com Corpo de Bombeiros Militar do Maranhão (CBMMA).

Desde o início do mês a Defesa Civil Estadual está monitorando casarões de São Luís e Alcântara na operação “Caça Riscos de Desabamentos nos Sítios Históricos”. Até o momento, 51 dos 107 casarões monitorados apresentaram risco de desabar.  

Este ano, o Corpo de Bombeiros vistoriou quase 152 casarões do Centro Histórico, sendo 14 deles incluídos na categoria de risco elevado. A operação tem como intuito monitorar a situação estrutural das edificações já catalogadas e identificar novos riscos além de ampliar a área de cobertura e atualizar os dados cadastrais dos imóveis.

O coordenador adjunto de proteção e Defesa Civil, tenente Coronel Amorim informou que as chuvas colaboram para degradação desses imóveis.

“Por conta do período chuvoso que atinge todo o estado, a situação tem se agravado rapidamente. A chances de desabar aumentam por conta da infiltração de água no material barroso que compõe as paredes dos casarões coloniais”, afirmou o tenente.

Patrimônio Mundial da Humanidade

O título de Patrimônio Mundial da Humanidade foi concedido a São Luís pela Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e a Cultura (UNESCO) em 6 de dezembro de 1997 em Nápoles, na Itália.

Ao todo, o Centro Histórico de São Luís é composto por casarões seculares revestidos por azulejos portugueses e reúne um acervo com mais de mil prédios construídos entre os séculos 18 e 19, que compõem o Patrimônio Mundial da Humanidade.