Sem folia, carnaval será adiado no Maranhão

O Governo do Estado decidiu adiar as festas de carnaval devido à pandemia do coronavírus. A nova data ainda não foi definida. A decisão vai proibir qualquer festa durante o feriado e vai cancelar o ponto facultativo do Carnaval para desestimular qualquer tipo de aglomeração na época. O governador do Maranhão, Flávio Dino (PCdoB), deve emitir o decreto até segunda-feira (25), a decisão será publicada no Diário Oficial do Estado. 

Enquanto não houver vacina para combater a doença, as datas previstas dos desfiles podem sofrer alteração. “Nós vamos usar os recursos do tesouro estadual, da Lei de Incentivo à Cultura e da Lei Aldyr Blanc votada pelo Congresso Nacional para que nós possamos de algum modo ajudar os profissionais da chamada economia da cultura”, ressaltou Flávio Dino.

O Ministério Público do Maranhão recomendou a observação imediata de normas e condutas para evitar a proliferação da Covid-19 durante o período do carnaval, bem como enquanto perdurar a pandemia.

Veja a nota da Secretaria de Estado da Cultura (Secma)

“A Secretaria de Estado da Cultura (Secma) informa que, em razão da falta de vacinação em massa contra a Covid-19, o Governo do Maranhão decidiu não realizar qualquer evento que gere grandes aglomerações, a exemplo do carnaval. Eventos desse porte só serão retomados pela gestão estadual quando houver segurança sanitária e liberação das autoridades de saúde competentes.

Também não há previsão de nova data para celebração do carnaval 2021. A definição de um novo calendário da festividade no Maranhão dependerá da liberação das autoridades em saúde pública.

A Secma esclarece ainda que continuará realizando ações em apoio aos profissionais da arte, assim como foi feito em 2020, quando foram lançados editais públicos com recursos estaduais e por meio da Lei de Emergência Cultural Aldir Blanc (Lei Federal n° 14.017/20), que beneficiou mais de 3.000 fazedores de cultura de todo o Maranhão.

A fiscalização de festas privadas de pré-carnaval que eventualmente descumpram o decreto estadual n° 36.203, de 30 de setembro de 2020 – norma que autoriza apenas eventos com no máximo 150 pessoas – cabe às prefeituras, à Superintendência de Vigilância Sanitária (Suvisa) e à Secretaria de Estado da Segurança Pública (SSP).”