Palmeiras encara River Plate em semifinal com transmissão da TV Difusora

O primeiro compromisso do Palmeiras em 2021, válido pela Libertadores da temporada de 2020, será fora de casa, nesta terça-feira (05), às 21h30 de Brasília, no Estádio Libertadores de América, casa do Independiente de Avellaneda, pois o Monumental de Nuñez, casa do River, passa por reforma. O jogo será transmitido pela TV Difusora.

Finalista da Copa do Brasil em sua última partida, em 30/12, após passar pelo América-MG, e no G6 do Brasileirão, com 44 pontos (venceu a quinta seguida em casa no seu compromisso mais recente no Nacional, pela 27ª rodada), o Palmeiras inicia agora a busca por uma vaga na final da CONMEBOL Libertadores: o adversário desta semifinal é o River Plate-ARG. O clube que avançar para a final, irá enfrentar o vencedor de Santos e Boca Juniors-ARG.

Na atual edição da Libertadores, o Palmeiras tem ótimo aproveitamento: está invicto, com oito vitórias e dois empates em dez jogos, além de 29 gols marcados (segundo melhor ataque, atrás só do River Plate-ARG, com 31) e quatro sofridos (melhor defesa). Caso avance à fase final, esta será a quinta vez que o Verdão chega a esta etapa do Continental: já foi finalista em 1961, 1968, 1999 (campeão) e 2000; vale lembrar que esta é a oitava vez que o Alviverde participa da fase semifinal da Libertadores, incluindo eventuais triangulares finais, como acontecia antigamente, e esteve na fase que precedeu a decisão em 1961, 1968, 1971, 1999 (campeão), 2000, 2001, 2018 e, agora, 2020.

Dono da melhor campanha da fase de grupos da Libertadores 2020, o Palmeiras alcançou o feito pela terceira edição seguida, sendo o único clube do continente a registrar o melhor desempenho na fase de classificação em três anos seguidos neste século. Em 2020, o Palmeiras repetiu os mesmos 16 pontos registrados em 2018, com cinco vitórias e um empate, enquanto em 2019 obteve 15 pontos, com cinco triunfos e uma derrota. Na fase de grupos da atual edição, o Verdão registrou também o segundo melhor ataque entre todos os 32 participantes, com 17 gols marcados contra 21 do River Plate-ARG, e a segunda melhor defesa, com dois gols sofridos contra um do Boca Juniors-ARG.

A trajetória alviverde nesta Libertadores começou com vitórias sobre Tigre-ARG (2 a 0 na Argentina), Guaraní-PAR (3 a 1 no Allianz Parque) e Bolívar-BOL (2 a 1 na Bolívia). O Palmeiras não iniciava uma Libertadores com três vitórias consecutivas desde 1968, quando obteve cinco triunfos antes de empatar o sexto jogo – desde então, foram 17 edições e, no máximo, duas vitórias em sequência a partir da estreia. Nos confrontos seguintes da fase de classificação, empatou com o Guaraní-PAR (0 a 0 no Paraguai) e goleou Bolívar-BOL e Tigre-ARG, ambos no Allianz Parque e ambos por 5 a 0.

Os triunfos diante de bolivianos e argentinos, inclusive, passaram a dividir a terceira posição na lista das maiores goleadas do Verdão em Libertadores na história (atrás apenas do 6 a 1 sobre o Boca Juniors-ARG, em 1994, e do 7 a 0 sobre o El Nacional-EQU, em 1995) e se tornaram a maior goleada do Allianz Parque no geral, igualando os 5 a 0 aplicados sobre o Grêmio Novorizontino pelo Campeonato Paulista de 2018.

Nas oitavas de final, o Verdão passou após vencer o Delfín-EQU por 3 a 1 fora de casa, em Jocay, no Equador, e por 5 a 0 em casa. E nas quartas de final passou pelo Libertad-PAR, com empate por 1 a 1 fora de casa (Defensores del Chaco, em Assunção-PAR) e vitória por 3 a 0 em casa, no Allianz Parque.

Tradicional na competição, o Palmeiras é um dos três clubes brasileiros com mais edições de Libertadores disputadas: esta é a 20ª, assim como Grêmio e São Paulo, sendo a quinta vez consecutiva, feito inédito na história alviverde. O Palmeiras ainda carrega a honra de ter sido o primeiro brasileiro a disputar uma final de Libertadores: em 1961, logo na segunda edição do torneio, quando enfrentou o Peñarol-URU na grande decisão e ficou com o vice-campeonato. O Alviverde chegou à final em 1968, 1999 (campeão) e 2000.