Contratação temporária para fim de ano terá queda de 7% no Maranhão, aponta Fecomércio

A crise econômica este ano agravada pela pandemia do novo coronavírus, deve inibir o volume das tradicionais contratações de mão de obra temporária e também de trabalhadores efetivos no comércio no fim do ano.

De acordo com a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio-MA), este ano, a contratação temporária terá uma queda de uma média de 7% em todo o estado, se comparado ao mesmo período do ano passado. O saldo negativo se dá em razão da pandemia. No entanto, 70% dos empresários já manifestaram interesse em abrir vagas temporárias nestes últimos meses do ano para atender ao crescimento do fluxo de movimentação de consumidores.

De 2019 pra cá o comércio varejista de São Luís vive uma verdadeira gangorra. No ano passado foi responsável pela criação de mais de 860 novos postos de trabalho formal. Aí veio a pandemia e este mesmo comércio teve que dispensar mais de 1200 trabalhadores. Passado o período mais crítico e com a flexibilização voltou a contratar. De junho até setembro foram 1.651 novas vagas preenchidas. O comércio varejista representa 16% do total de postos de trabalho formal aqui em São Luís.

Com a chegada do natal esse número deve ser ampliado. A data é a mais importante para o comércio, que em razão da pandemia perdeu outras também significativas, como o dia das mães e a páscoa.

A insegurança ainda com a pandemia, faz um contraponto à expectativa do setor para a retomada de vendas e novas contratações.

Atualmente, o comércio varejista de São Luís apresenta um estoque total de mais de 40 mil empregos formais. A maior parte das contratações fica a cargo do setor de Serviços, que possui um estoque de mais de 155 mil empregados, o que representa 62% do total de contratações formais da capital maranhense.

*Com informações de Bel Soares