Campanha #AmpliaUEMA ajuda estudantes no pagamento da taxa de inscrição do PAES

O movimento Amplia lançou, na última semana, a #AmpliaUEMA, com o apoio de professores da rede estadual do Maranhão, para conectar estudantes pretos, pardos e indígenas a pessoas que querem “apadrinhar” suas inscrições no Processo Seletivo de Acesso à Educação Superior (PAES-2021), da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA).

A campanha foca em viabilizar a participação de estudantes que não poderiam pagar a taxa de R$ 85,00. A meta é alcançar, pelo menos, 300 estudantes no Estado até o dia 27 de novembro, data de encerramento das inscrições. 

Os estudantes interessados em participar da campanha precisam se inscrever no PAES/UEMA 2021, acessando o site https://www.paes.uema.br/?p=1846, e em seguida preencher o formulário do Movimento Amplia, disponível em: https://bit.ly/ampliaUEMA. A campanha prioriza estudantes que tenham uma renda individual no valor máximo de 3 (três) salários mínimos mensais. Para mais informações, os estudantes podem acessar: estudantes@movimentoamplia.com.br

Ao se cadastrar, os estudantes devem enviar ao Amplia seu boleto, que será redirecionado para o pagamento por “madrinhas” e “padrinhos”, que se cadastram no mesmo formulário. Empresas também podem participar, contribuindo com doações de inscrições e divulgando a campanha nas redes sociais. 

“Vivemos em um mundo desigual. Nossa sociedade carrega profundas marcas de desigualdade ao longo da história. É preciso viabilizar políticas e projetos que diminuam essas marcas e que possibilite uma mudança estrutural no sistema. Essa ação é importante, porque além de garantir o pagamento das inscrições de alunos afrodescendentes e indígenas que perderam o prazo para isenção, também traz a reflexão sobre a garantia do direito ao acesso a uma universidade pública, gratuita e de qualidade para todos os povos”, destacou a professora do Centro de Ensino Cruzeiro de Santa Bárbara e umas das incentivadoras da Campanha no Estado, Camila Tavares. 

A atual campanha se espelha na primeira iniciativa do movimento que, em coro às manifestações antirracistas, propôs a atuação direta de garantir maior acesso de jovens negros e indígenas ao ensino superior por meio do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem). A ação uniu doadores que pagaram diretamente o boleto do exame a centenas de estudantes que não conseguiram realizar as inscrições sem essa ponte.