Presidente do STJ diz que foi alertado sobre possibilidade de novo ataque hacker

Por Rayssa Motta e Fausto Macedo

Menos de dois meses após tomar posse como presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), no final de agosto, o ministro Humberto Martins se viu diante de um ataque hacker que, na semana passada, bloqueou a base de dados dos processos em andamento na Corte. O caso é tratado por peritos como ‘o mais grave ataque’ cibernético já verificado nos órgãos públicos da capital federal e foi especialmente prejudicial em razão do trabalho remoto na pandemia.

Para minimizar os efeitos da invasão ao sistema oficial do tribunal, Martins precisou agir rápido: editou uma resolução suspendendo julgamentos e impedindo movimentações digitais até o restabelecimento da segurança do tráfego de dados. Nesse meio tempo, começou o processo de troca das senhas de acesso de cada ministro, que agora precisam seguir procedimentos de dupla autenticação, e colocou no ar uma página estática que substituiu provisoriamente o portal do STJ enquanto peritos apuram a extensão do ataque.

Apesar os esforços, o dia a dia no Superior Tribunal de Justiça ainda não voltou à normalidade. “Alertado pela Polícia Federal sobre a possibilidade de novas investidas dos criminosos contra sistemas de órgãos públicos brasileiros, o STJ está vigilante para a necessidade de cautela neste momento”, reconhece Martins em entrevista ao Estadão.

Antes do ataque, o ministro já havia começado a desenhar metas para atualizar a política de segurança da informação do tribunal As iniciativas fazem parte do seu plano de gestão para o próximo biênio.

“Em face ao inquestionável aumento de volume de ataques cibernéticos ocorridos nos últimos tempos, à evolução tecnológica, à criticidade e à sensibilidade dos dados armazenados pelo Tribunal, é essencial a constante evolução da área de Segurança da Informação na TI do STJ”, informa o plano.

Segundo Martins, o tribunal já adota uma política ‘robusta’ de segurança da informação desde 2015, mas a ideia é começar uma revisão em matéria de proteção dos sistemas.

Informações do Estadão conteúdo