Não uso de fogos de artifícios em pleito e festas de fim de ano é tema de campanha da OAB-MA

O período eleitoral aliado a temporada de festas de fim de ano sempre promovem o uso de fogos de artifícios. No entanto, estudos comprovam que esses instrumentos usados em comemorações causam mal não só para animais, mas também a idosos , pessoas com deficiência e crianças.

Para conscientizar a população sobre o problema, a OAB Maranhão lança uma campanha informativa a respeito dos diversos danos motivados pelos fogos de artifício. Os candidatos às eleições municipais, que costumam soltar fogos durante o pleito, e também das pessoas que fazem a queima nas festas de fim de ano são o público alvo da mobilização.

Nos animais, os principais problemas sofridos em decorrência do barulho de fogos de artifício são reações comportamentais como estresse e ansiedade. Muitas vezes, eles se acalmam apenas com o uso de sedativos e, quando nem assim o problema é resolvido, os danos são irreversíveis, podendo leva-los à morte. Isso acontece quando o barulho se associa ao medo, resultando em uma resposta de luta ou fuga, o que aumenta a frequência cardíaca, a vasoconstrição periférica e alterações no metabolismo da glicose.

Já em humanos, a queima de fogos pode causar danos tanto a quem manuseia, quanto a quem ouve os barulhos. Segundo o Ministério da Saúde, cerca de 7 mil pessoas sofreram lesões decorrentes do uso de fogos de artifício no período de 2007 a 2017; sendo 70% queimaduras; 20% lesões com lacerações e cortes; e 10% amputações de membros superiores, lesões de córnea, lesão auditiva e perda de visão e de audição. Ao longo desses anos, 96 mortes foram registradas no Brasil em consequência da queima.

Para quem não manuseia, mas consegue ouvir os fogos, o barulho é mais nocivo a pessoas com o Transtorno do Espectro do Autismo (TEA), que podem ficar extremamente incomodadas, e a pessoas idosas por, em sua maioria, já possuírem doenças que as deixam mais vulneráveis a estresse e ansiedade.

Pessoas com TEA apresentam uma hipersensibilidade sensorial aos estímulos do ambiente, de forma que elas escutam todos os sons de uma só vez, ocasionando uma sobrecarga a esse sentido e em crises que podem durar dias. Essa hipersensibilidade sensorial pode afetar ainda outros sentidos, como tato, paladar e visão. 

Vale lembrar também que os fogos de artifício provocam ainda danos ambientais, uma vez que a queima emite poluentes significativos, aumentando a concentração de substâncias contaminantes no ar em torno de 71,6% após a finalização.

É por isso que a Seccional Maranhense da Ordem convida você a fazer parte dessa campanha de conscientização e dizer não ao uso de fogos de artifícios em carreatas, passeatas e festas comemorativas.