“Reaprender a cada instante”, professora fala ao MA10 sobre amor à profissão e desafios durante a pandemia

Por Deovanne Louzeiro e Suelem Garces

Neste ano, os professores tiveram ainda mais desafios devido à pandemia e suspensão das aulas presenciais e se adequaram à nova realidade. Em homenagem ao Dia dos Professores, o portal MA10 conversou com a professora do ensino fundamental, Giovana Frasão, 30 anos, para saber o que mudou na rotina, suas dificuldades com aulas remotas, adaptações e como se reinventar nesse período.  

Como foi a adaptação para aulas nesse período de pandemia?

Passamos por muitas adaptações, desde o espaço físico da escola até mudanças de hábitos e comportamentos. Tivemos que nos reinventar para conseguir superar os desafios dessa nova realidade.

Quais os principais desafios enfrentados nesse período?

O primeiro foi desenvolver as aulas à distância. Passamos desde o aprendizado de gravar, editar e postar aulas até a fase de transmissão online, tudo isso exigindo de nós uma carga de trabalho muito maior que a habitual. Uma aula que, na escola, seria desenvolvida em 50 minutos chegava a demorar 3 horas para ficar pronta. Infelizmente, boa parte dos alunos não acompanhava as aulas e eu me sentia de certa forma frustrada.

No retorno para as aulas híbridas, o desafio está sendo conciliar as duas realidades de forma simultânea, das aulas presenciais e online. Outra grande dificuldade é o distanciamento social, pois há momentos em que sentimos a necessidade do contato.

Qual metodologia para que os alunos possam prestar atenção nas aulas e aprender o conteúdo?

A disciplina de Filosofia me permite dialogar bastante com eles e vou associando os conteúdos à realidade. Assim, eles participam mais das aulas. Procuro manter o ambiente tanto online quanto presencial em um clima de bate-papo, uma boa conversa descontraída. Sei que gostam bastante de conversar, então puxo isso para aula. Faço muitos questionamentos e os alunos geralmente têm algo para falar a respeito, pois se sentem à vontade. Assim vou contextualizando para que os conteúdos façam sentido para eles.

Houve resistência dos alunos durante a adaptação para aulas on-line?

De modo geral, sim, desde a dificuldade dos alunos em disciplinar seus horários até a falta de concentração, com as distrações do dia a dia em casa. Reconheço também que um grande incentivo na escola é a presença dos amigos, o contato, e nas aulas online não temos isso.

Nesse período em que estamos vivendo existe uma valorização a outras profissões tão importantes quanto a educação, o que falta para que o papel do professor seja valorizado?

Acredito que, além da questão da valorização que é extremamente necessária, como já é sabido, falta ainda a valorização do professor. Considerando que a formação de qualquer profissional teve o trabalho de um professor, imagino que nossa realidade seria diferente se houvesse um olhar diferente para a educação, pois teríamos ciência, política, economia, enfim, uma sociedade muito mais evoluída, nos poupando grandes problemas.

Há quem nos apoie, mas nesse período de pandemia, de modo especial, vi muitas críticas a nós professores, com pouca empatia e compreensão aos desafios que estamos enfrentando. Estamos nos reinventando e reaprendendo dentro de uma realidade que mal nos dá tempo pra assimilar essas novas práticas direito. Então, diante de tudo o que estamos vivendo, vejo o quão importante seria a valorização e a valoração do professor para, de fato, conseguirmos enfrentar essas dificuldades e superá-las.

O que é ser professor no ano de 2020?

É reaprender a cada instante; é se reinventar; é ter a capacidade de se adaptar a novas realidades; é ser resiliente mesmo em meio a tantas crises. Diante de tantas incertezas e desafios, ser professor nesse ano é se superar a cada dia, na certeza de que algo de bom está sendo construído no trabalho com essas crianças e adolescentes.