Imunodeficiência primária em crianças pode estar relacionada a casos graves de Covid-19

Apesar de a Covid-19 ainda ser uma doença nova e que ainda trazer muitas dúvidas aos cientistas e médicos, já existe a constatação de que normalmente crianças são os pacientes que menos evoluem para quadros graves em caso de infecção. Porém, alguns raros casos ocorrem e alguns pacientes com menos de dez anos intrigam os médicos por desenvolverem complicações e chegarem até mesmo a óbito.

Uma das razões que mais levanta suspeita para esses casos é uma doença chamada imunodeficiência primária, algo que nasce com a pessoa e costuma se manifestar principalmente na primeira década de vida. A identificação da doença costuma acontecer quando a criança adoece com recorrência, por exemplo, constantes crises de otite, garganta ou pneumonia em um curto intervalo de tempo.

Para chegar a um diagnóstico de que pode realmente ser imunodeficiência primária é preciso descartar outras doenças respiratórias que podem estar sendo causadas por alergias ou fatores externos como controle de ambiente, além de uma investigação criteriosa através de exames clínicos e acompanhamento médico.

Outros fatores podem influenciar na suspeita de que a criança pode sofrer de imunodeficiência primária, tais como: estomatites de repetição que causem feridas na boca, abscessos de repetição na pele, diarreia crônica persistente e histórico familiar de imunodeficiência. O que deve gerar um alerta nos pais e médicos, principalmente durante a epidemia de Coronavírus que para alguns cientistas é apontada como uma doença sistêmica, ou seja, que pode afetar múltiplos órgãos e levar a graves complicações em alguns deles.

O médico, Dr. Marcello Bossois, indica que crianças que possuem histórico familiar, por exemplo, seja feito um acompanhamento investigativo prévio ao surgimento de sintomas e talvez a possibilidade de ser feita uma pesquisa genética no paciente.

Sobre a Covid-19 ele ainda destaca: “Os casos de crianças que acabam falecendo em função da Covid, podem estar relacionados a determinados casos de imunodeficiência primárias. Não são todas as ocorrências que levam a uma maior suscetibilidade. Mas outras imunodeficiências primárias, principalmente as celulares, podem levar a uma maior suscetibilidade de um agravamento do quadro em caso de infecção pelo Coronavírus.”

Em função da epidemia, aumentou o número de pais que buscam orientação do médico em relação à possibilidade de imunodeficiência primária. Através do canal no YouTube do Brasil Sem Alergia, projeto que coordena, ele fala sobre o assunto em uma lista de reprodução de vídeos criada especialmente sobre o assunto. O tratamento dos pacientes que recebem a confirmação através do diagnóstico da doença, depende sempre do tipo de doença diagnosticada, mas a prevenção é uma forte aliada no combate ao agravamento desses casos.

Se já era um fator bastante importante antes da epidemia, agora se faz ainda mais necessário. A doença no Brasil teve uma queda nas últimas semanas, mas fatores como o não retorno às aulas presenciais pode estar ajudando a frear a disseminação entre crianças e adultos.

Portanto, médicos alertam para a importância do acompanhamento médico em caso de suspeita de imunodeficiência primária nas crianças e principalmente se houver suspeita de contaminação pela Covid-19, pois quanto antes for o diagnóstico da possibilidade de uma das doenças, menor é a chance de complicações e chances de morte nessa fase inicial da vida.

*Com informações do Estadão Conteúdo