Escritório de Kassio Marques foi alvo do TCU por contratos emergenciais no Piauí

Contratos entre a Companhia Energética do Piauí (Cepisa) e o escritório de advocacia de Kassio Marques no Estado foram alvo de investigações no Tribunal de Contas da União (TCU).

Em 2006, quando Marques ainda era sócio da firma de advocacia, o TCU apontou problemas em contratos emergenciais, por dispensa de licitação. Indicado pelo presidente Jair Bolsonaro para uma vaga no Superior Tribunal Federal (STF) foi procurado, mas não respondeu. 

A relação entre Cepisa e o escritório Lex Advocacia, Carvalho, Araújo & Marques – Advogados Associados começa em 2002, um ano após a firma de Marques ser aberta. A Lex Advocacia foi contratada, com outros escritórios, para prestar serviços jurídicos.

O contrato foi sendo prorrogado nos anos seguintes sem a realização de uma licitação – até 2018, a Cepisa era uma estatal e, portanto, seguia a Lei de Licitações.

  • *Com informações o Estado de S. Paulo