AGED confirma o primeiro registro de sementes não autorizadas que foram recebidas no Maranhão

Uma moradora do bairro do São Francisco na capital maranhense, notificou a Agência Estadual de Defesa Agropecuária do Maranhão (AGED/MA), que recebeu um pacote de sementes em seu endereço, sem haver feito nenhuma compra ou solicitação. 

Ela tomou as medidas necessárias, encaminhando o pacote de sementes sem violar, para o setor responsável da AGED pela Defesa e Inspeção Vegetal. “Essa é a primeira ocorrência que recebemos e queremos fazer um alerta a todos do Estado do Maranhão que ao receberem um pacote como este, contendo sementes, não despreze, não jogue fora e entregue em uma de nossas Unidades Regionais ou entre em contato pelos telefones em nosso site para que possamos fazer o recolhimento destas sementes”, frisou Antonia Lucia Malheiros, diretora de Defesa e Inspeção Vegetal da AGED. 

A orientação, em caso de recebimento de pacote de sementes desconhecidas, é de levar imediatamente à Superintendência Federal de Agricultura do Maranhão (SFA/MA) ou à AGED mais próxima para que possam tomar as providências necessárias. Caso o cidadão não tenha um escritório da AGED em seu município ele pode ligar para o setor da Ouvidoria da AGED (98) 99132-0441 ou SFA (98) 3131-3407. 

É recomendado que a embalagem não seja viola, não seja descartada em cursos d’água ou junto ao lixo comum. Orienta-se ainda não plantar ou semear muda ou semente recebidos de origem desconhecida, mesmo que a embalagem descreva que o conteúdo é de uma semente de fruta popular. 

Essas medidas visam proteger o patrimônio fitossanitário brasileiro e maranhense. A importação de vegetais sem autorização pode facilitar a entrada de pragas ou doenças que não existem ou estão erradicadas no país, além de causar prejuízos econômicos. 

A Secretaria de Defesa Agropecuária, do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), informou que após análises laboratoriais, foi identificada a presença de ácaro vivo em uma amostra; de três fungos diferentes em 25 amostras; de bactéria em duas amostras; e possibilidade de pragas quarentenárias em quatro amostras (como plantas daninhas).

Toda a análise é feita no Laboratório Federal de Defesa Agropecuária em Goiás, que é referência no país. Até o momento, foram confirmados 258 pacotes de sementes não solicitados em 24 estados e no Distrito Federal. O único estado que ainda não registrou o recebimento do material foi o Amazonas. A expectativa é que em 30 dias haja um detalhamento maior desses resultados.