Pesquisa da Fecomércio indica que São Luís terá um Dia das Crianças pior do que o ano passado

O índice de intenção de consumo das famílias (ICF) de São Luís, medido pela Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado do Maranhão (Fecomércio-MA), apresentou nova recuperação mensal na predisposição de consumo dos ludovicenses. Na pesquisa realizada no mês de setembro pela Fecomércio, o nível de consumo das famílias obteve crescimento de +0,7% em relação ao mês anterior.

  Com esses resultados, de acordo com a Federação do Comércio, a atividade comercial de São Luís ainda terá um Dia das Crianças pior do que o ano passado. No entanto, a data comemorativa deverá impulsionar a gradativa recuperação mensal das vendas na capital maranhense. Segundo a pesquisa, três componentes que formam o indicador puxaram a aceleração do otimismo do consumidor na variação mensal: a avaliação sobre o nível de consumo atual (+11,2%), as perspectivas de melhoria profissional (+7,7%) e percepção sobre a segurança no emprego atual (+4,7%).

  Três componentes revelaram variação mensal negativa e atrapalharam o crescimento mais forte do otimismo do ludovicense: o nível de acesso ao crédito (-6,6%), a avaliação sobre a renda atual da família (-4,1%) e a perspectiva futura de manutenção do nível de consumo (-2,1%). Já o sétimo e último componente que forma o indicador de intenção de consumo da Fecomércio, que é a avaliação quanto ao momento para aquisição de bens duráveis, manteve-se estável na variação mensal com leve aumento de +0,4%.

Para a Federação do Comércio, os resultados da pesquisa mostram que o consumidor ludovicense tem percebido a retomada do mercado de trabalho local como uma oportunidade de recuperação do seu nível de consumo de antes da pandemia. Tomando como base o período de janeiro a agosto deste ano, o mercado de trabalho de São Luís tem conseguido reverter gradativamente os impactos negativos da pandemia e já apresenta saldo positivo de 5.889 postos de trabalho com carteira assinada, embora 4.519 dessas vagas criadas tenham sido registradas no setor de serviços de saúde.

 O anúncio do Governo Federal de manutenção do auxílio emergencial em parcela menor já aponta efeitos negativos sobre a avaliação da renda do consumidor e a perspectiva futura de consumo, conforme mostrou a pesquisa.

Assim, para os primeiros beneficiados pelo Auxílio Emergencial que começaram a receber os pagamentos em abril a partir de setembro o valor do auxílio passou a ser de R$ 300, gerando um efeito negativo sobre a percepção da renda desse consumidor, uma vez que a transferência de recursos oriundos do auxílio caem pela metade.

Diante desse cenário econômico, a Fecomércio explica que ainda não é possível uma comparação positiva para o Dia das Crianças deste ano em relação ao ano passado. Apesar disso, a entidade reforça a importância da data comemorativa para incentivar a recuperação mensal da atividade comercial na capital maranhense nesse momento de reabertura dos setores econômicos após o arrefecimento da disseminação do novo coronavírus.

Por essa razão, apesar da queda de -45,7% da intenção de consumo registrada pela pesquisa na comparação com o ano passado, o destaque para o Dia das Crianças deverá ser a avaliação que o consumidor faz sobre o nível de consumo atual, que apresentou aceleração de +11,2% quando comparado ao mês imediatamente anterior, demostrando o efeito positivo da aceleração gradativa da confiança do consumidor de São Luís mês a mês, sendo impulsionado, inclusive, por importantes datas comemorativas do segundo semestre como o próprio Dia das Crianças.