Laudo revela que idosa estava enterrada há mais de um mês; veja no Jornal da Difusora

O laudo pericial realizado no cemitério onde o corpo da idosa Fátima Maria Evangelista dos Santos, de 65 anos, havia sido encontrado, foi divulgado pelo Instituto de Criminalística (ICRIM), nesta segunda (5). Com base na perícia, foi possível concluir que a vítima estava enterrada há mais de um mês.

De acordo com o diretor do ICRIM, Robson Mourão, o laudo confirmou também que mais de uma pessoa participou do crime. “Esse laudo confirmou que mais de uma pessoa participou desse crime, principalmente no que se refere a posição do corpo na cova. O corpo enterrado naquela posição, uma profundidade de 1 metro e 20, se configuram como vestígios claros para os peritos que mais de uma pessoa participou do crime”, explicou Robson.

O diretor afirmou também que uma perícia foi feita na casa da idosa e os resultados devem ser divulgados em breve, mas de acordo com informações preliminares do Icrim, é bem provável que o crime tenha sido cometido lá. Segundo Robson, na residência foi feita a aplicação do reagente Bluestar, um dos itens que o perito de local utiliza para verificar se haviam elementos como sangue, ou se o local foi lavado por exemplo. Na casa, os peritos encontraram luminescências positivas em cômodos como corredor, banheiro, e quarto.

“O material foi coletado e encaminhado para o instituto genético forense, inclusive em alguns objetos que possam ter sido utilizados. Além disso foi feita uma coleta de DNA de contato, para que nós tenhamos o perfil genético daquele que fez uso daquele material”, diz.

Entenda o caso

O corpo da idosa Fátima Maria Evangelista dos Santos, foi localizado em um cemitério em Paço do Lumiar, no começo do mês de setembro. Dois homens permanecem presos, suspeitos de envolvimento no crime. Um deles, seria candidato a vereador em São Luís.

A Polícia Civil aguarda o resultado da perícia realizada na casa da idosa, que morava sozinha em um sobrado no centro da cidade. Em junho deste ano, as filhas de Fátima Maria prestaram queixa à polícia sobre o desaparecimento da mãe.

O caso só foi descoberto por conta da movimentação bancária da aposentada. A polícia chegou ao local após a prisão de um dos envolvidos no crime, em cumprimento a mandado de prisão temporária pelos crimes de estelionato e furto. Cerca de R$ 180 mil já teriam sido sacados de duas contas da vítima.

Em depoimento, o homem admitiu os saques e apontou a participação de um suspeito que, segundo ele, já teria encontrado a idosa morta em casa. De acordo com a Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP), três coveiros – que teriam recebido R$ 800 para enterraram o corpo de Fátima – reconheceram os suspeitos.