“Consumidores estão abalados”, diz promotora sobre acidente em supermercado

Continuam as investigações que apuram as responsabilidades pela morte de Elane de Oliveira, 21 anos, após o desabamento de prateleiras em um supermercado da capital. De acordo com a promotora de defesa do consumidor, Lítia Cavalcante, está sendo instaurado um inquérito civil para buscar a reparação de danos ao consumidor.

Ainda segundo a promotora, estão sendo instaurados quatro inquéritos que caminham independentes, sendo um civil, criminal, relação trabalhista e administrativa.

“No nosso caso, iremos buscar a reparação do dano causado as vítimas consumidoras. Em relação a Polícia, ela vai apurar e investigar o crime e depois remeter o caso para o Ministério Público propor ação penal ao aspecto trabalhista em relação ao falecimento no local”, disse Lítia.

Agora, haverá uma verificação em todos os supermercados da capital que trabalham nesse modelo de atacarejo para oferecer uma segurança necessária aos consumidores. Dependendo dos resultados dessa fiscalização, poderá ter notificação, multa ou até mesmo processo judicial contra esses supermercados.

“A prevenção só se torna relevante quando ocorre um acidente. Prevenindo, evitamos esse tipo de resultado, o serviço tem que oferecer segurança. Hoje, o consumidor de São Luís está abalado com a situação, o que queremos é evitar que novos casos aconteçam”, destacou a promotora.

Segundo o delegado geral da Polícia Civil, Armando Pacheco, toda as imagens do local e do momento do ocorrido estão sendo analisadas, além dos produtos que estão sendo periciados para o prosseguimento das investigações.