Featured Video Play Icon

O crime ocorreu na última segunda-feira (26). Dos 7 cachorros criados na residência, dois acabaram morrendo, após um suposto envenenamento e um terceiro animal continua desaparecido. O caso ocorreu no bairro Aurora, região metropolitana de São Luís.

De acordo com a dona dos animais, Giordane Barros, moradora do bairro há 40 anos, os animais sempre ficavam na área externa da residência e eram soltos pela manhã. A família está abalada com o que ocorreu.

“Toda noite eles ficavam aqui para dormir por conta da piscina, onde eles poderiam cair. E pela manhã eu vinha abria o portão para eles ficarem livres. Na terça de manhã, encontrei duas mortas por envenenamento e um dos animais desaparecido”, conta a moradora.

A moradora suspeita que algum morador de um condomínio ao lado da sua residência tenha envenenado os animais e alega que o motivo seria o latido dos cães. “Eles foram assassinados por fazerem barulho, por latirem demais”, revela.

Giordane registrou um boletim de ocorrência sobre o caso na Delegacia do Meio Ambiente (DEMA). A Polícia Civil do Maranhão (PCMA) informou que o Boletim de Ocorrência foi registrado no dia (29), mas que no momento não há suspeitos e, devido à decomposição, não foi possível obter novas informações através dos corpos dos cães. A PCMA destaca, no entanto, que o caso vai ser investigado.

Lei sancionada

O caso ocorreu em menos de uma semana após a lei de maus tratos ser sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro. Sem vetos, a lei estabelece que quem praticar abuso, maus-tratos ou violência contra cães e gatos pode cumprir pena de dois a cinco anos de reclusão. O texto também prevê multa e proibição da guarda para quem praticar os atos contra esses animais.

A lei foi assinada em cerimônia no Palácio do Planalto com a presença de ministros e de animais de estimação. O texto segue para publicação no “Diário Oficial da União”.