Peixe em extinção morre após ser retirado da água por banhistas na Ponta d’Areia

Populares mataram um peixe mero (Epinephelus itajara) nesta sexta-feira (25), na praia da Ponta d’Areia, em São Luís. Com cerca de 1,50m, o animal marinho foi arrastado da água por banhistas, que o levaram até a faixa de areia. Ninguém no local foi autuado pela prática.

O mero é considerado um dos maiores peixes da costa brasileira, e pode atingir mais de dois metros de comprimento e pesar mais de 400 kg. A fase de reprodução só começa quando ele atinge de 1,1 a 1,2 metro – entre 4 e 7 anos de idade – sendo que pode viver mais de 40.

Segundo Artigo 24 do Decreto nº 6.514 de 22 de Julho de 2008, “matar, perseguir, caçar, apanhar, coletar, utilizar espécimes da fauna silvestre, nativos ou em rota migratória, sem a devida permissão, licença ou autorização da autoridade competente, ou em desacordo com a obtida” resulta em multa de R$ 5.000,00, “por indivíduo de espécie constante de listas oficiais de fauna brasileira ameaçada de extinção, inclusive da Convenção de Comércio Internacional das Espécies da Flora e Fauna Selvagens em Perigo de Extinção (CITES).

O Ministério da Pesca determinou a prorrogação da proibição da pesca do mero até 2023. A captura do peixe foi proibida pela primeira vez em 2002 pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama).