Home Maranhão PF desarticula quadrilha que usava estrutura dos Correios para cometer fraudes

PF desarticula quadrilha que usava estrutura dos Correios para cometer fraudes

Featured Video Play Icon

A Polícia Federal realizou na manhã desta quinta-feira (17) coletiva para apresentar os resultados da operação Mercancia Postal. A intenção era desarticular um grupo criminoso que se utilizava da estrutura dos Correios para o cometimento de fraudes, entre eles servidores e ex-servidores da empresa.

“Se colheram alguns elementos de informação e, adicionados a esses elementos, tivemos análises financeiras, transações bancárias e interceptação telefônica que indicaram que esses empregados e outras pessoas estariam associados para praticar diversos crimes. Além de crimes relacionados a roubo e furto, ocorridos nos Correios, essas pessoas usavam a estrutura dos Correios para criar CPF’s e para obter o auxílio emergencial e, além disso, elas fraudavam outros benefícios sociais”, disse o delegado delegado Júlio Sombra.

Os suspeitos atuavam em crimes patrimoniais, como roubos e furtos, como também a criação de CPF e ainda, conforme dito em coletiva de imprensa, cobranças de propina para fraudar provas de vida e outros benefícios previdenciários. No Maranhão, estão sendo cumpridos mandados nas cidades de São Luís, Barreirinhas, Bacabal, Lago Verde, São Luiz Gonzaga, Santa Inês, Codó e Coelho Neto.

A associação criminosa atuava, especialmente, na região do Médio do Mearim. Com base nos elementos, se representou pelas medidas ostensivas da operação: sendo 16 mandados de busca e apreensão, 6 mandados de prisão temporária e 8 mandados de intimação em oito municípios. Na operação a Polícia Federal conta com as Superintendências da PF no Pará e Piauí.

“É uma operação bem extensa e que abrange vários municípios e, além dessas medidas de busca e de prisão, ainda foi conseguida a constrição patrimonial – que é o mais importante na concepção da Polícia Federal -, e de tentar reaver esse patrimônio roubado, furtado e desviado pela associação criminosa”, afirmou o delegado.