Home Maranhão São Luís Superintendente do Sistema Difusora faz visita pelos 150 anos de criação do 24° BIS

Superintendente do Sistema Difusora faz visita pelos 150 anos de criação do 24° BIS

Superintendente do Sistema Difusora faz visita pelos 150 anos de criação do 24° BIS

O Superintendente do Sistema Difusora, jornalista Paulo Nogueira, visitou o 24º Batalhão de Infantaria de Selva (24° BIS) e foi recebido pelo comandante da Instituição, tenente-coronel Luciano Freitas e Sousa Filho.

Na semana em que completou 150 anos de criação do 24° BIS, durante o bate-papo, foram tratadas ações de cooperação entre as duas Instituições.

COMANDO DO 24° BIS

Ao ser nomeado Comandante do 24º BIS em 2018, o tenente-coronel Sousa Filho servia no Centro de Comunicação Social do Exército Brasileiro. Ele incorporou as fileiras do Exército em 1992, na Escola Preparatória de Cadetes do Exército, e foi declarado aspirante a oficial em 1996, após concluir o Curso de Formação de Oficiais de Infantaria da Academia Militar das Agulhas Negras.

O comandante do 24º Batalhão de Infantaria de Selva sucedeu o coronel Marcus Vinícius Soares Guimarães de Oliveira.

24º BATALHÃO DE INFANTARIA DE SELVA

No dia 31 agosto, o 24° Batalhão de Infantaria de Selva (24° BIS) – “Batalhão Barão de Caxias”, tradicional Organização Militar (OM) do Exército Brasileiro, comemorou seu sesquicentenário.

Sua origem remonta ao ano de 1870, com a instalação do 5° Batalhão de Infantaria Pesada no centro da capital ludovicense, onde hoje se localiza a praça do Pantheon, a Biblioteca Pública Benedito Leite e o SESC. Suas atuais instalações, no tradicional bairro do João Paulo, foram ocupadas em 19 de abril 1941.

Ao longo de seus 150 anos, o 24º BIS teve participação destacada em diversos momentos históricos, entre os quais estão: o combate à Coluna Prestes, em 1925; o combate à Revolução de 1930, na Paraíba; combate à Revolução de 1932, em São Paulo (SP); o combate à Intentona Comunista, em Belém (PA), em 1935; o envio de 169 militares para compor a Força Expedicionária Brasileira (FEB), em 1944; a mobilização de uma Companhia de Fuzileiros para atuar em Xambioá (PA), em 1972; e o emprego de Pelotões de Fuzileiros na Missão das Nações Unidas para a Estabilização no Haiti (MINUSTAH), em 2008, 2010, 2012 e 2013. Ressalta-se, também, o envio, em 24 de junho de 1973, de 60 militares para a cidade de Imperatriz (MA), que deram origem ao 50º Batalhão de Infantaria de Selva.