Home Maranhão São Luís Executor de mãe e filha foi contratado por R$ 5 mil para asfixiar e queimar corpos de vítimas

Executor de mãe e filha foi contratado por R$ 5 mil para asfixiar e queimar corpos de vítimas

Executor de mãe e filha foi contratado por R$ 5 mil para asfixiar e queimar corpos de vítimas

A Superintendência de Homicídios e Proteção à Pessoa (SHPP) realizou coletiva de imprensa na manhã desta segunda-feira (22) sobre o duplo feminicídio ocorrido no começo do mês, envolvendo mãe e filha. O crime aconteceu no bairro Altos do Calhau, em São Luís.

A polícia já identificou o mandante e o executor do duplo assassinato; o crime teria sido encomendado por R$ 5 mil. A investigação aponta que o ex-marido de Graça Maria Pereira de Oliveira seria o mandante dos assassinatos dela e da filha, Talita de Oliveira Friseiro.

Em menos de 20 dias o caso foi elucidado. O executor dos crimes trabalhava em uma obra ao lado da casa das vítimas, o que teria facilitava o acesso. Ele, inclusive, já tinha contato com mãe e filha.

Desde que se separaram, Graça e o ex-marido mantinham causas na justiça por conta de uma divisão de bens. A polícia afirma que, desde o início, o plano – minuciosamente arquitetado – era matar mãe e filha. O executor, preso na última terça-feira (16) e cuja autoria já confessou, não teria cumprido todo o acordo.

“Ele foi contratado para matar essas vítimas por asfixia e depois tocar fogo nos corpos para evitar vestígios de que houve um assassinato. A ele foram dadas duas opções; ou ele colocava os corpos no carro e tocava fogo no carro ou ele deixava os corpos na cozinha, levava uma vela para acender e deixava o gás ligado para que isso causasse um incêndio. Causando um incêndio, na cabeça da pessoa que mandou, ia encobrir qualquer vestígio de que ali tinha acontecido um assassinato”, disse a delegada Viviane Fontenelle, do departamento de feminicídios da SHPP.

O mandante do crime também já foi preso no último sábado, em Imperatriz. A polícia acredita que mais pessoas possam estar envolvidas no caso, por isso ainda não finalizou a investigação.

A polícia também prendeu nesta segunda-feira (22) um terceiro envolvido no caso, identificado como o chefe da obra onde o executor trabalhava e que teria servido como intermediador do crime. O mandante ainda está sendo encaminhado para São Luís para ser ouvido.

Graça e Talita foram encontradas mortas com sinais de estrangulamento e asfixia, dentro de um carro na garagem da casa delas, no bairro Altos do Calhau.