Home Notícias Meio Ambiente Levantamento aponta redução da intensidade das secas no Maranhão

Levantamento aponta redução da intensidade das secas no Maranhão

Levantamento aponta redução da intensidade das secas no Maranhão

A última atualização do Monitor de Secas aponta para a redução das áreas com seca no Maranhão na comparação entre abril e maio. 

No Maranhão, houve grande variabilidade da precipitação, com os maiores valores concentrando-se na região norte. Devido as poucas chuvas, permaneceu a manutenção da seca fraca (S1), porém com redução da intensidade da seca moderada (S1) para seca fraca (S0) na parte sul e uma pequena redução da área de seca fraca (S0) na região central. O restante do estado encontra-se sem seca. Os impactos ainda são resquícios de períodos anteriores e, portanto, são de longo prazo (L).

Com as chuvas de maio o Monitor de Secas registrou uma redução das áreas com seca em nove estados: Alagoas, Bahia, Ceará, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Rio Grande do Norte e Tocantins. Em sete estados houve a redução da gravidade das secas: Alagoas, Bahia, Maranhão, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Sergipe e Tocantins. 

De acordo com a climatologia de maio, os maiores volumes de precipitação, com valores acima de 250mm, ocorrem no norte do Maranhão e no litoral leste do Nordeste. Em maio de 2020, chuvas superiores a 300mm aconteceram no norte-noroeste do Maranhão e do Piauí e em parte do litoral leste do Nordeste, além de pontos isolados no Tocantins.

SECAS MARANHÃO / ABRIL

Em abril, no Maranhão, embora tenham sido observadas algumas áreas com anomalias negativas, de um modo geral, as precipitações, principalmente na porção norte, tiveram valores acima de 400 mm (acima da normal). No setor sul, observaram-se anomalias negativas de precipitação, e os indicadores de curto prazo mostram uma condição de seca variando de fraca (S0) a moderada (S1).

No sudeste houve uma redução da área de seca fraca (S0), enquanto nas demais áreas os indicadores, de curto e longo prazo, mostram o estado sem seca relativa. Os impactos observados em todas áreas, com algum grau de seca, permanecem de longo prazo. Com informações do Monitor das Secas.