Home Notícias MPF denuncia acusados pelo assassinato do líder indígena

MPF denuncia acusados pelo assassinato do líder indígena

MPF denuncia acusados pelo assassinato do líder indígena

O Ministério Público Federal (MPF) no Maranhão denunciou à Justiça Federal, no último dia 29 de maio, Nilson Carneiro Sousa Guajajara e Eduardo dos Santos Guajajara pelo homicídio qualificado do líder indígena Zezico Rodrigues Guajajara. Segundo a denúncia, o crime foi motivado por desavenças dos denunciados contra o indígena, em razão de disputas por terras e direitos indígenas.

Para o MPF, diante dos fatos relatados, fica evidente a materialidade e autoria do crime de homicídio de Zezico Rodrigues Guajajara, que foi surpreendido por Nilson Carneiro e Eduardo Guajajara, impossibilitando sua defesa, sendo atingido com disparo de arma de fogo do tipo cartucheira.

O crime ocorreu em 31 de março de 2020, por volta das 12h, em uma estrada que liga a Aldeia Zutiua ao povoado Matinha, no município de Arame (MA). A região é marcada por constantes conflitos envolvendo indígenas e disputas de terras e poder nas aldeias.

Segundo relatos de indígenas, Zezico possuía problemas anteriores com Eduardo, que já havia tentado matar a vítima há alguns anos com uma espingarda, sendo que o crime não teria sido realizado em razão da esposa do denunciado ter impedido.

Por fim, o MPF reserva a possibilidade de oferecer aditamento à presente denúncia caso seja comprovada a participação de outra pessoa na execução do crime.

Entenda o caso – De acordo com o MPF, constatou-se que, no dia 31 de março de 2020, por volta das 12h, os denunciados, portando arma de fogo, mataram o indígena Zezico, ao surpreendê-lo em uma estrada que liga a Aldeia Zutiua ao povoado Matinha, no município de Arame (MA), dificultando sua defesa.

Segundo o laudo de exame em local de morte violenta nº 2020 01 PCE 0107, a vítima transitava em uma motocicleta quando foi surpreendida pelos agressores, obrigando a parar o veículo e efetuando disparo de arma de fogo, ocasionando o óbito.

Com informações do Ministério Público Federal no Maranhão.