Home Maranhão São Luís Jovem denuncia ser vítima de incitação ao crime de estupro praticada por universitários

Jovem denuncia ser vítima de incitação ao crime de estupro praticada por universitários

Featured Video Play Icon

A Casa da Mulher Brasileira lançou nota de repúdio neste fim de semana quanto a uma suposta incitação do crime de estupro praticada por discentes do curso de Engenharia Civil da Universidade Estadual do Maranhão (UEMA), campus São Luís, e do UNDB Centro Universitário.

“Em uma sociedade que tem mulheres constantemente lutando por seu espaço, ter seus corpos analisados e violados é inadmissível. São muitos os desafios a serem enfrentados na busca por respeito, igualdade de gênero e raça. Prestamos solidariedade com a vítima e repúdio a todo e qualquer tipo de violência. Ressaltamos ainda que o caso a partir de agora está sendo acompanhado de perto pela Secretária de Estado da Mulher e a Casa da Mulher Brasileira, por meio da Delegacia da Mulher, e todos os órgãos de atendimento à mulher em situação de violência”, diz nota da Casa da Mulher.

Sobre o assunto, o Centro Acadêmico A Luta Pelo Direito – gestão Maria Firmina dos Reis – assinou a nota conjunta com outras entidades para prestar solidariedade a todas as vítimas que tiveram seus direitos violados, assim como para reiterar a necessidade de pressionar a universidade para que medidas concretas sejam tomadas.

“Repudiamos veementemente as práticas de incitação ao estupro promovidas por aluno do curso de Engenharia Civil da UEMA, contra uma jovem em um grupo da rede social Instagram, a qual os mesmos falam em cometer o crime de estupro em ‘um banheiro químico de calourada’. Essa prática criminosa, prevista no Art. 286 do Código Penal, corrobora para que casos de estupro aconteçam e permaneçam impunes, além de escancarar o machismo explícito por parte dos mesmos”, informa nota conjunta assinada por Centros Acadêmicos, Associações Atléticas, Coletivos e Ligas Acadêmicas da UEMA.

O Governo do Maranhão, por intermédio da Secretaria da Mulher (SEMU), manifestou total repúdio pelo conteúdo exposto na denúncia, e disse que “não compactua com qualquer forma de violência ou abuso contra a mulher”. Reafirmou solidariedade para com a vítima e disse que os fatos estão sendo processados e a Semu, em conjunto com a Casa da Mulher Brasileira, está dando inteiro apoio à vítima nesse momento.

Denúncias sobre casos de abusos e violência, em específico contra a mulher, podem ser realizadas através das redes sociais e da ouvidoria da Semu nos números (98) 98427-1002 | 98427-3681, no 180 ou na Casa da Mulher Brasileira, localizada na Av. Professor Carlos Cunha, 572, bairro Jaracaty.

“É algo que realmente foi uma facada pra mim. Eu nunca imaginei ouvir algo tão mal intencionado contra a minha pessoa. São pessoas completamente desumanas, maldosas; capazes de fazer. Eu tô chocada com isso, eu não imaginava. Eu quero tomar medidas cabíveis, até por que apologia ao estupro é crime. Isso deixa a pessoa nervosa, é chocante”, disse a jovem Giseli Botega por meio de redes sociais.

A Associação Atlética Acadêmica Protensão (AAAP), entidade básica de organização do desporto do curso de Engenharia Civil da UEMA, repudiou os fatos expostos durante a quarentena devido ao novo coronavírus sobre a questão de apologia ao estupro. Foi determinada pela AAAP a exclusão dos envolvidos nas atividades esportivas da Atlética, exclusão dos envolvidos nos eventos realizados pela Atlética Protensão e banimento de qualquer atividade realizada pela Atlética Protensão, bem como participação e organização.

“A AAAP não compactua com qualquer comportamento machista e de apologia ao estupro e considera tais atitudes inadmissíveis, repugnantes e de cunho desrespeitoso à sociedade de forma geral. Esse não é o tipo de conduta esperado por nós que zelamos tanto para com a integridade das pessoas que nos cercam, sendo atitudes consideradas decepcionantes e alarmantes”, informou a AAAP.

De acordo com o último relatório divulgado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública, a 13ª edição do anuário, registrou recorde da violência sexual em 2018. Foram 66 mil vítimas de estupro no Brasil durante o ano, maior índice desde que o estudo começou a ser feito em 2007. Os casos de violência contra mulher seguem aumentando em ritmo acelerado. Nesta semana, um caso em particular chamou nossa atenção.

“Eu tô muito tranquila, eu tô bem com o tanto de mensagem que eu tenho recebido. Eu tive o apoio de muitas mulheres maravilhosas, eu senti a necessidade de agradecer”, disse a vítima.

O UNDB Centro Universitário lançou nota neste domingo sobre o caso. “Reafirmamos nosso compromisso com a formação acadêmica, ética e moral de nossos discentes e não coadunamos com tais práticas. ⁣Informamos, ainda, que, tão logo tomamos conhecimento da situação, iniciamos a apuração dos fatos para que as medidas cabíveis sejam tomadas, inclusive com a abertura de processo administrativo disciplinar, nos termos do Regimento Interno da instituição. ⁣⁣Reiteramos que não toleramos tais práticas em nosso ambiente acadêmico e que estamos atentos às expressões e atitudes dessa natureza”, garantiu a UNDB.

Confira abaixo a nota da Universidade Estadual do Maranhão na íntegra:

A Universidade Estadual do Maranhão tomou conhecimento de denúncia formulada pela jovem Giseli Botega, na sua conta no Instagram, por meio da qual revela postagens atribuídas a discentes do curso de Engenharia Civil, campus São Luís.

O teor das mensagens é absolutamente incompatível com os valores e princípios preconizados pela UEMA e totalmente inaceitável no âmbito de uma comunidade acadêmica que preza o Estado democrático de direito, a convivência pacífica e igualitária, o respeito aos direitos humanos e a diversidade de gênero.

Pelo conteúdo da denúncia, a UEMA manifesta absoluto repúdio a qualquer tipo de desrespeito à dignidade da pessoa humana e a toda forma de constrangimento, assédio, sexismo ou violência.
Neste sentido, reafirma o compromisso e a determinação de apurar com rigor, no limite de sua competência e conforme seus regimentos, os fatos narrados e os efeitos dos mesmos no âmbito desta instituição.

Informa, por oportuno, que a Pró-Reitoria de Extensão e Assuntos Estudantis já reuniu todas as informações preliminares que foram publicizadas e encaminhará à Procuradoria Jurídica para instauração do devido procedimento administrativo.

São Luís, 25 de abril de 2020.
Prof. Gustavo Pereira da Costa Reitor