Home Notícias Saúde Nova rotina de profissionais da rede estadual inclui cuidados com saúde mental

Nova rotina de profissionais da rede estadual inclui cuidados com saúde mental

Nova rotina de profissionais da rede estadual inclui cuidados com saúde mental

A rotina dos profissionais que atuam nas unidades da rede estadual de saúde do Maranhão tornou-se ainda mais intensa com a pandemia do novo coronavírus (Covid-19). Não apenas os cuidados com higienização tiveram de ser redobrados, mas, acima de tudo, a preocupação com a saúde mental, por conta do receio de ser infectado e infectar outras pessoas, tornou-se uma nova prioridade. 

Se antes a rotina de Adriana Mafra, coordenadora de enfermagem da Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Vinhais, incluía levar e buscar o filho na escola todos os dias, nas últimas semanas o afastamento da enfermeira tem sido sua maior demonstração de amor. 

“A minha rotina era acordar, levar meu filho para a escola, ir trabalhar e depois buscá-lo no final da tarde. Hoje eu não vivo mais isso. Decidi proteger quem eu mais amo: meu filho! Estamos afastados esse período, a saudade é imensa, não tem como não chorar todos os dias. Quando chego à unidade, peço a Deus que nos abençoe, nos proteja e nos dê força para encarar esse desafio. Essa foi a nossa escolha profissional, temos que encarar de cabeça erguida e estamos preparados para isso. Tenho certeza que vamos sair vitoriosos”, afirma. 

Mais do que uma escolha profissional, trabalhar na área da saúde é uma missão levada a sério por quem jurou proteger a vida de outras pessoas. É isso que faz a enfermeira Tamires Barradas Cavalcante ter que superar adversidades para continuar atuando. “Não vou dizer que não dá medo. Dá medo sim, mas a gente tem sempre que lembrar que nós, profissionais da área da saúde, fizemos um juramento, prometemos proteger a vida a todo custo, e a gente não pode esquecer disso nessas horas. Então, psicologicamente eu tenho tentado me manter forte para estar nessa batalha. Quando se tem uma pandemia, a gente tem que ir preparado para a guerra, digamos assim, preparado para atuar no que for preciso”, conta. 

Além das dificuldades profissionais por conta da pandemia, a enfermeira também teve que lidar com a perda da mãe, pouco antes de começar o que ela denomina de batalha. “Eu perdi minha mãe uma semana antes de começar, de fato, aqui no Brasil, a batalha contra o coronavírus. Não pudemos fazer a missa de sétimo dia da minha mãe dentro de igreja, com aglomeração, já por conta do combate ao Covid-19. É aquela questão, nós somos profissionais da área da saúde, mas nós somos seres humanos também, nós somos pessoas, temos sentimentos”, explica. 

Cuidados

A equipe que começou a atuar no Hospital de Cuidados Intensivos (HCI), inaugurado pelo Governo do Estado, na última sexta-feira (3), para receber casos mais graves de Covid-19, tem recebido suporte psicológico, assim como todos os profissionais da rede estadual. No caso do HCI, a responsável por trabalhar as competências socioemocionais da equipe é a psicóloga Cybelly Borges, que tem realizado um acompanhamento por grupos e individualmente. 

“Por meio de rodas de conversas, colhemos informações sobre angústias e medos de cada um, trabalhamos no atendimento individual, se for necessário, e fazemos dinâmicas para focar na importância da empatia e do trabalho em equipe. Sabemos que é complicado o cenário hoje encarado, mas sabemos também que os profissionais de saúde, em sua grande maioria, carregam seu trabalho como meta de vida e têm muito compromisso pelo que fazem. Estão todos emocionados, e com razão: tudo que é novo de fato é assustador”, destaca.