Médico fala no BDM sobre preocupação quanto à Revalidação de Diplomas no exterior

Entidades que representam a classe médica estão preocupadas com a Revalidação de Diplomas de médicos formados no exterior. No fim do ano passado, o presidente Jair Bolsonaro vetou a inclusão de universidades privadas na aplicação do Revalida.

A prova criada pelos ministérios da Educação e da Saúde simplifica o processo de reconhecimento de diplomas de medicina emitidos por instituições de ensino estrangeiras. Sobre o assunto, o jornalista Adalberto Melo entrevistou nesta quarta-feira (04) o presidente da Associação Médica do Maranhão, Mauro Cesar Oliveira.

VOTAÇÃO NO CONGRESSO

O presidente do Senado Federal, Davi Alcolumbre, suspendeu a sessão do Congresso desta terça-feira (03) com votação em andamento de três vetos presidenciais. Os vetos já receberam os votos dos deputados, mas o resultado não foi informado. O Congresso voltará a se reunir na quarta-feira (04), a partir das 14h, quando a apuração dos votos dos deputados será feita.

Os vetos pendentes de apuração dizem respeito ao saque do FGTS (VET 48/2019), à regulamentação dos contratos de desempenho na administração pública (VET 50/2019) e à revalidação de diplomas de medicina por universidades privadas (VET 54/2019).

O veto 54 tem a ver com a lei do Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida) (Lei 13.959, de 2019). O Executivo vetou a possibilidade de participação das entidades privadas no Revalida, restringindo à prova às universidades públicas. Com informações da Agência Senado.