Home Maranhão São Luís Inquérito vai apurar vazamento de fotos íntimas de jovem morta por policial

Inquérito vai apurar vazamento de fotos íntimas de jovem morta por policial

Featured Video Play Icon

Segue preso preventivamente o policial militar Carlos Eduardo Nunes, suspeito de matar a ex-companheira e o suposto amante. O caso aconteceu na tarde de sábado (25) dentro de um condomínio residencial no bairro Vicente Fialho, em São Luís.

O soldado já foi ouvido em audiência de custódia e voltou a confessar ter assassinado a ex-companheira e um homem com quem ela vinha mantendo um relacionamento.

O PM vai responder pelo homicídio de José William dos Santos e pelo feminicídio de Bruna Lícia Fonseca Pereira. A polícia confirmou a presença de uma terceira pessoa no apartamento onde o crime aconteceu. Esse rapaz, que é amigo das vítimas, também já foi ouvido e deve auxiliar nas investigações.

De acordo com a investigação, pelo menos 8 disparos foram efetuados. A polícia já pediu exames de laboratório para confirmar a versão do policial de que houve luta entre ele e as vítimas, antes de cometer o crime. A cena de crime também foi periciada, já as imagens do circuito de segurança do prédio vão ser analisadas.

A polícia ainda vai ouvir vizinhos do prédio e pessoas do convívio de Bruna e Carlos. Quanto às fotos íntimas que foram divulgadas da vítima, um novo inquérito deve ser aberto para apurar o vazamento.

Nesta segunda-feira (27), a Comissão da Mulher e da Advogada da Ordem dos Advogados do Brasil, seccional Maranhão, lançou nota de repúdio sobre o caso. Veja abaixo na íntegra:

A Ordem dos Advogados do Brasil, Seccional Maranhão, por meio da Comissão da Mulher e da Advogada – CMA/MA, vem a público repudiar mais um crime de feminicídio e homicídio ocorrido no Estado.

Nesse sábado (25), mais uma mulher foi assassinada por seu companheiro, passando a integrar as estatísticas do crime de feminicídio do Estado. Em 2019, foram registrados 48 casos. Um aumento se comparado ao ano anterior, 2018, com 43 feminicídios. Em que pese viver-se no Século XXI, mais uma mulher é vítima da violência extremada que assola a nossa sociedade.

O feminicídio é a triste consequência do machismo alicerçado na naturalização de comportamentos, que fazem pessoas acreditarem que diferenças sexuais respaldam superioridade de um gênero sobre o outro. A vida humana é feita de dissabores e escolhas. Violência não é solução, tampouco justificativa para as frustrações vividas.

Diante tamanha atrocidade, não se é complacente com tamanho desrespeito à dignidade da pessoa humana e banalização da vida. Logo, REPUDIA-SE, de forma veemente, o ato brutal cometido pelo policial militar, que tem direito à defesa e um julgamento justo, assim como todos os posicionamentos de culpabilização da vítima e que incentivam o julgamento e opressão do gênero.

Expressamos nossa solidariedade às famílias das vítimas, na certeza de que a justiça será feita, assim como da continuidade do combate às violências que depreciam o viver em sociedade.

Comissão da Mulher e da Advogada da OAB/MA