Home Política 256 mil eleitores ainda não fizeram o recadastramento biométrico

256 mil eleitores ainda não fizeram o recadastramento biométrico

256 mil eleitores ainda não fizeram o recadastramento biométrico

Em sessão solene realizada nesta segunda-feira (16), o presidente do Tribunal Regional Eleitoral no Maranhão (TRE-MA), desembargador Cleones Cunha, anunciou o término da biometria no estado do Maranhão. A partir de agora, todos os eleitores dos 217 municípios maranhenses serão identificados pelas suas impressões digitais na hora de votar.

“Somos o 15º estado da federação a concluir a biometria. Um estado em que ninguém votará no lugar de ninguém e não votará duas vezes. Cada eleitor, cada pessoa física, corresponderá a um voto”, destacou o presidente.

O eleitor que não possui dados biométricos cadastrados na justiça eleitoral deverá procurar um cartório eleitoral ou posto de atendimento para se regularizar até o dia 6 de maio de 2020. Atualmente, 15 estados já concluíram o processo de cadastramento das digitais: Acre, Alagoas, Amapá, Ceará, Distrito Federal, Goiás, Pará, Paraíba, Paraná, Piauí, Rio Grande do Norte, Roraima, Sergipe, Tocantins e o Maranhão.

Dos 4 milhões, 548 mil e 809 eleitores do estado, 4.287.198 (94,25%) já estão com a biometria. Nesse ciclo final (2019/2020) foram revisados 918.140 eleitores, 119.273 (10,08%) realizaram transferência e 146.338 (12,36%) decorrem de novos alistamentos.

Do total, 256 mil eleitores ainda não fizeram o recadastramento biométrico, o que corresponde a 5,64% do eleitorado, índice considerado pequeno. “Significa dizer que o estado do Maranhão foi mobilizado e o eleitor atendeu o chamado da justiça eleitoral”, pontuou o presidente.

Em nome da Corte Eleitoral, o membro Bruno Duailibe parabenizou o trabalho desenvolvido e afirmou que, com essas medidas, será reforçado o princípio de que o voto é pessoal e intransferível, pois agora é só uma pessoa votando por si própria, não havendo possibilidade de nem mesmo irmãos gêmeos univitelinos se passarem um pelo outro.

“A história de que um eleitor votou 4 vezes ou se passou por 51 pessoas não existirá mais. É algo do passado”, finalizou o membro.