Geriatra fala no BDM sobre uso de medicamentos à base de Cannabis

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA) autorizou a venda de medicamentos à base de Cannabis em farmácias, mediante a apresentação de receita médica. Os produtos com princípios ativos da planta passarão a ser vendidos mediante prescrição médica.

Mas será que esses produtos podem ser prescritos para demências? Quais os potenciais riscos e efeitos colaterais em idosos portadores da Doença de Alzheimer? Sobre o assunto, o Bom Dia Maranhão conversou com a doutora Jacira Serra, geriatra e professora universitária.

A decisão sobre a comercialização cria uma nova classe de produtos no mercado de medicamentos do Brasil: a de produtos à base de cannabis, termo que vem sendo utilizado internacionalmente. A proposta aprovada elenca os requisitos necessários para a regularização dos medicamentos à base de maconha no País, estabelecendo parâmetros de qualidade.

A Resolução da Diretoria Colegiada (RCD) deverá passar por uma reavaliação em até três anos. Segundo a proposta aprovada pela Anvisa, as empresas não devem abandonar as pesquisas de comprovação de eficácia e segurança das formulações, uma vez que as propostas para produtos à base de cannabis se assemelham aos procedimentos dos medicamentos tradicionais. 

O regulamento aprovado exige que a empresa interessada em fabricar medicamentos à base de maconha tenha autorizações de funcionamento específicas, além de certificado de boas práticas de fabricação emitido pela Anvisa.