Mantida a prisão dos suspeitos do assassinato de Ivanildo Paiva

Na região tocantina, a justiça manteve a prisão dos suspeitos de assassinar o prefeito de Davinopólis, Ivanildo Paiva. Ele foi morto no dia 10 de novembro de 2018; o corpo foi encontrado em uma região de matagal.

A decisão foi tomada pelo juiz titular da 2ª Vara Criminal da comarca de Imperatriz. Na pronúncia, foi avaliado se os acusados devem ir ou não a júri popular e também se a prisão preventiva deveria ser mantida. Por ser um processo com vários réus e testemunhas, ainda não foi definida a data do julgamento. O caminho até identificar os envolvidos foi feito pela Polícia Civil, no departamento da Delegacia de Homicídios.

Entre os réus, José Rubem Firmo, Antônio José Messias, apontados como mandantes do crime, os policiais militares Francisco de Assis Bezerra Soares, o Tita, Willame Nascimento da Silva e o mecânico José Benilton Bezerra Feitosa Guimarães, o Boca Rica. De acordo com a investigação, a morte de Ivanildo Paiva foi motivada por promessas não cumpridas a José Rubem Firmo, o Rubem Lava Jato, o então vice-prefeito do município de Davinópolis.