Home Maranhão “A cada ato do crime, há uma resposta maior do estado”, diz Jefferson Portela em entrevista ao Bandeira 2

“A cada ato do crime, há uma resposta maior do estado”, diz Jefferson Portela em entrevista ao Bandeira 2

Featured Video Play Icon

O secretário de segurança pública do Maranhão, Jefferson Portela, foi o entrevistado desta segunda-feira (04) do programa Bandeira 2, apresentado pelo jornalista Silvan Alves. Na oportunidade, ele repercutiu a morte líder indígena Paulo Paulino Guajajara, assassinado na última sexta-feira em uma emboscada no Oeste Maranhense.

“É um conflito permanente, pela questão da invasão de terras indígenas, extração ilegal de madeira e é uma questão que a União, que tem competência para tratar da matéria, tem conhecimento há muito tempo. Não só do problema, que é a extração e a penetração em terras indígenas, mas de mortes também”, disse o secretário.

Devido o conflito recente, segundo Jefferson, o governador Flávio Dino determinou a ida dos titulares das pastas de Segurança Pública e Direitos Humanos, esta representada pelo secretário Francisco Gonçalves, até a região. “Fomos a Imperatriz, Amarante; e fomos até a aldeia Mucura, ao local onde o corpo foi resgatado pela perícia criminal e Polícia Militar e conversamos com o pai da vítima”, afirmou.

A cúpula esteve reunida com representantes das aldeias indígenas. “O governador do estado anunciou ontem [domingo, 03] a edição de um Decreto, criando na esfera da segurança pública, o Núcleo de Defesa da Vida e Proteção para os Indígenas”, garantiu o secretário.

Sobre a apuração do conflito que resultou na morte do líder indígena e de um madeireiro, o secretário Jefferson Portela informou que o delegado regional de Imperatriz e a Polícia Militar diligenciaram para identificar a autoria.

A respeito da redução de homicídios na região metropolitana e o ‘ressurgimento’ de facções criminosas, o também delegado confirmou que existe um “aumento de ações violentas dessas facções por brigas de território, com execuções de chamados ‘traidores’, alguém que muda de uma facção pra outra, ou que pretende expulsar do bairro alguém que faz o comércio ilegal de drogas”.

“A cada ato do crime, há uma resposta maior do estado. Eu anuncio para os próximos dias, a ocupação de alguns bairros aqui em São Luís, com a força total do estado. Não haverá permissão, nem omissão, diante desses atos”, assegurou ao jornalista Silvan Alves.

Silvan Alves relembrou um caso de “sapatinho” registrado neste fim de semana, prática criminosa de extorsão mediante sequestro envolvendo familiares de um servidor de instituição financeira em Bacabal, e Jefferson foi enfático quanto ao combate à atuação desses integrantes de quadrilha especializada em assaltos a bancos.

“A polícia prendeu um bando muito perigoso, profissionalizado em ataques a instituições financeiras e evitou, não só essa prática de sapatinho, mas outros ataques a bancos, por que nós pegamos vários elementos da quadrilha e eles estão sob rigorosa investigação na Superintendência Estadual de Investigações Criminais, a SEIC. Já sabemos, inclusive, da ação deles em outros ataques a bancos no estado do Maranhão”, disse Jefferson Portela.

O secretário de segurança pública aproveitou para falar sobre a audiência que acontecerá no dia 7, que também irá envolver o deputado federal Aluísio Mendes (PSC). “Eu me coloco à disposição para comparecer à frente deste deputado Aluísio Mendes e perguntar a ele o que é que ele pretende com este circo montado para ouvir criminosos. Até hoje eles não disseram qual o número e qual o desembargador ou juiz teve o seu número ilegalmente interceptado. Esse deputado não é presidente da Comissão de Segurança e está vindo para cá ouvir de novo aqueles que estão presos ou respondendo a procedimentos por desvio de conduta no exercício da atividade policial”, asseverou.

A entrevista de Jefferson Portela também foi tema do quadro de polícia do podcast do Repórter Difusora, OUÇA:

https://open.spotify.com/episode/75RMBWFz8uB2X0FBZn0Amn