HomeMaranhão TJ lança nota após deputado federal questionar uso de token no judiciário

TJ lança nota após deputado federal questionar uso de token no judiciário

TJ lança nota após deputado federal questionar uso de token no judiciário

O Tribunal de Justiça do Maranhão lançou nota nesta quarta-feira (03) a respeito de manifestação do deputado federal Edilázio Júnior durante oitiva do ex-delegado Tiago Bardal e do delegado licenciado Ney Anderson, na Câmara Federal. Edilázio questionou possível uso de token de membros do Poder Judiciário para que representações de interesse de algum delegado chegasse diretamente ao Conselho Nacional de Justiça.

“Tal hipótese é totalmente descabida, não sendo plausível ilações sobre o uso indevido do dispositivo no âmbito do Poder Judiciário do Maranhão”, diz nota de esclarecimento.

À época, o delegado Tiago Bardal encaminhou à Corregedoria Geral da Justiça do Maranhão, em 11/10/2017, ofício acompanhado de petição inicial e anexos, solicitando providências junto ao Conselho Nacional de Justiça (CNJ). Em 19/10/2017, a então corregedora-geral de Justiça do Maranhão, desembargadora Anildes Cruz, encaminhou o expediente e seus anexos à Presidência do Tribunal de Justiça do Maranhão.

Em 24/10/2017, segundo nota, o então presidente da Corte Estadual de Justiça, desembargador Cleones Cunha, à época, determinou a remessa do supramencionado ofício e seus anexos ao Conselho Nacional de Justiça para conhecimento e providências cabíveis, o que foi cumprido, na mesma data, via Correios, conforme comprovante de postagem.

“A correspondência foi recebida no Conselho Nacional de Justiça em 27/10/2017, às 11:58 horas, conforme protocolo nº 14466. Na data de 10/11/2017, o então Juiz Auxiliar da Corregedoria Nacional de Justiça determinou a autuação e distribuição da RD para processamento”.

O Tribunal de Justiça disse que não houve em nenhum momento encaminhamento, autuação ou cadastro do referido expediente, através de token de magistrado ou de servidor, do Tribunal de Justiça do Maranhão. A remessa seguiu o fluxo regular de documentos, via Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos, sendo autuada e processada diretamente pelo órgão competente, no caso, o Conselho Nacional de Justiça.

 

OITIVA BARDAL

A Comissão de Segurança Pública e Combate ao Crime Organizado realizou nesta terça-feira (02), na Câmara Federal em Brasília, audiência pública após requerimento de autoria dos deputados federais Aluísio Mendes (PODE-MA) e Paulo Teixeira (PT/SP). Na ocasião, o ex-delegado Tiago Bardal e o delegado licenciado Ney Anderson Gaspar prestaram esclarecimentos sobre investigações da Secretaria de Segurança Pública do estado e de envolvimento de ambos no crime organizado.

Tiago Bardal, que é ex-titular da Superintendência Estadual de Investigações Criminais (SEIC), começou a ser ouvido por volta das 16h por videoconferência na sede da Polícia Federal em São Luís. O ex-delegado está preso desde fevereiro do ano passado por suspeita de envolvimento com organizações criminosas.