HomeMaranhão “Não ouvi você dizer que me ama”, diz mãe de criança que morreu no Chile

“Não ouvi você dizer que me ama”, diz mãe de criança que morreu no Chile

“Não ouvi você dizer que me ama”, diz mãe de criança que morreu no Chile

A mãe de Khalida Carvalho Trabulsi Lisboa, de 3 anos, se manifestou em seu perfil de rede social nas últimas horas para expressar a saudade da filha, que morreu vítima de deslizamento de rocha na última segunda-feira (03), na Cordilheira dos Andes, Chile. “Hoje eu não ouvi você dizer que me ama. Eu te amo minha boneca”, disse a gastrônoma Lenne Carvalho Lisboa, que está grávida de 6 meses.

Além de Khalida, também morreu ao ser atingida pelas pedras Isadora Pereira Bringel, de 7 anos. As meninas eram da cidade maranhense de Bacabal, localizada a 240 quilômetros da capital, e estavam em viagem com as famílias. Uma terceira criança quase foi ferida, mas foi puxada a tempo por turistas. Os corpos das crianças só devem chegar ao Maranhão no fim de semana; as autoridades chilenas investigam as responsabilidades.

As “miniférias” da família do médico Jorge Trabulsi, comemoradas por ele no Instagram em 30 de maio, foram interrompidas tragicamente durante o passeio pela região de Cajón del Maipo. O pai de Khálida ainda tentou reanimar a menina, que, ferida, chegou a falar com os parentes em seus últimos momentos. Segundo o padrinho e tio da vítima, Luis Alberto Trabulsi Lisboa, o irmão agora luta com a grande burocracia para liberar o corpo da filha.

Nesta terça-feira (04), Lenne também desmentiu boatos de uma campanha de arrecadação ao repercutir nota de esclarecimento do cunhado, Luis Alberto Trabulsi. “Diante da tragédia que aconteceu em El Yeso, Chile, a comunidade médica de Bacabal e São Luís prontamente se solidarizou para ajudar o meu irmão, Jorge Alberto Trabulsi Lisboa, tendo em vista que ele está fora do país. Em nome da minha família, agradeço a toda comunidade médica que está ajudando. No entanto, surgiram alguns boatos maldosos que estamos em campanha para pedir ajuda pra mandar para o meu irmão que está no Chile. Reafirmo, porém, que não há campanha de arrecadação”, afirmou Alberto.

As famílias estavam desde a semana passada no Chile e já se preparavam para retornar ao Maranhão, o passeio era um dos últimos roteiros do grupo no país. O avô de Khalida Trabulsi, o ex-prefeito de Bacabal, Raimundo Lisboa, deve chegar a Santiago nas próximas horas para auxiliar os parentes no traslado dos corpos, que só devem chegar a São Luís no fim de semana. A prefeitura de Bacabal emitiu uma nota de pesar pelo falecimento das crianças.

Em outubro do ano passado, a mãe de Khalida publicou foto da criança com a letra de uma música. “Promete que não vai crescer distante, promete que vai ser pra sempre assim”, disse.

Isadora é filha do casal de médicos Marcelo e Slavya Bringel. O colégio Reis Magos, onde as crianças estudavam, suspendeu as aulas nesta terça e as atividades foram retomadas nesta quarta-feira (05).

A morte das maranhenses ganhou repercussão na imprensa chilena e a governadora da Província de Cordillera chegou a declarar que o local visitado pelo grupo é perigoso e, por isso, é sinalizado de que o acesso não é permitido. Informação contestada por visitantes e pessoas que testemunharam o momento em que ocorreu o deslizamento de pedras, e afirmam que o local não está fechado para pedestres.

As três meninas brincavam na neve perto do reservatório de El Yeso, um dos principais pontos turísticos do inverno chileno. Elas integravam um grupo de cerca de 20 turistas que estava em lugar de acesso restrito no momento da tragédia.