HomeMaranhão “Se houver o corte a UFMA não vai funcionar”, afirma reitora Nair Portela

“Se houver o corte a UFMA não vai funcionar”, afirma reitora Nair Portela

“Se houver o corte a UFMA não vai funcionar”, afirma reitora Nair Portela

“Se houver o corte, eu já falei, a universidade não vai funcionar. Nós não poderemos estar com os alunos em sala de aula”, informou a reitora da Universidade Federal do Maranhão, Nair Portela, à imprensa durante coletiva realizada na manhã desta quinta-feira (16), em São Luís.

Na ocasião, a reitora explicou que a universidade não terá condições de funcionar, a partir do segundo semestre, se o corte de 30% das verbas, anunciado pelo Governo Federal, for mantido. A programação orçamentária da universidade, para este ano, previa um crédito de R$ 777 milhões, incluindo os gastos com pessoal, que representam 82% do valor.

O corte no orçamento vai atingir dois tipos de despesas, sendo a de custeio: gastos relacionados a manutenção com a universidade, como luz, água serviço de limpeza e internet, que deve recuar de oitenta e nove para R$ 150 milhões. Além das despesas de capital, na qual estão incluídos livros, equipamentos e laboratórios.

A princípio, 21 bolsas de mestrado e seis de doutorado terão que ser cortadas. Esse número pode ficar ainda maior, segundo anúncio feito pela reitora na coletiva.

A reunião com a imprensa foi acompanhada por professores e alunos da universidade, incluindo bolsistas do curso de mestrado em Ciências Sociais.

Manifestação na capital

Por conta do anúncio de cortes na Educação, ontem (15) o dia foi de protesto em todo o Maranhão. Na capital, milhares de pessoas se concentraram na Praça Deodoro e saíram em passeata pelas ruas do centro da cidade. No interior do estado estudantes e professores também foram as ruas em cidades como Caxias, Pinheiro, Itapecuru e Imperatriz em protesto.

Anúncio Jair Bolsonaro

Ainda nesta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro utilizou o Twitter para explicar que a educação foi a área que teve o décimo maior contingenciamento de verbas entre os ministérios, quase R$ 6 bilhões.

Em Dallas, no estado norte-americano do Texas, Bolsonaro disse que o bloqueio é necessário e que os manifestantes que protestam contra isso no Brasil “uns idiotas úteis, uns imbecis”. “É natural, é natural. Agora… a maioria ali é militante. É militante. Não tem nada na cabeça. Se perguntar 7 x 8 não sabe. Se perguntar a fórmula da água, não sabe. Não sabe nada. São uns idiotas úteis, uns imbecis que estão sendo utilizados como massa de manobra de uma minoria espertalhona que compõe o núcleo de muitas universidades federais do Brasil”, afirmou Bolsonaro.

Leia também:

“Bloqueio é inconstitucional, aponta Procuradoria dos Direitos do Cidadão