Home Cultura Casa do Maranhão realiza programação cultural no mês dos povos indígenas

Casa do Maranhão realiza programação cultural no mês dos povos indígenas

Casa do Maranhão realiza programação cultural no mês dos povos indígenas

A Casa do Maranhão, equipamento cultural do estado vinculado à Secretaria da Cultura (Secma), realiza programação cultural no mês de abril com o tema ‘Os Povos Indígenas e o Espaço Museal: Um resignificar de práticas sociomuseológicas frente aos saberes e fazeres tradicionais’. A programação conta com exposições, roda de conversa e outras ações culturais e educativas nos espaços da Casa, localizada na Praia Grande, centro histórico de São Luís.

As atividades começaram segunda-feira, 1º, com a roda de conversa “Wyra’u Haw – O Grande Mito”, conduzida por Genilson Guajajara, Tekwé e Antônio Francisco de Sousa, Kawarahy, líderes das terras indígenas Rio Pindaré, Piçarra Preta e Tabocal. Os dois são formados em audiovisual pelo programa Vídeos nas Aldeias, por meio do qual foi realizado curta que registra a festa de iniciação do menina e menino Guajajara.

O evento está sendo realizado em parceria com o Coletivo Pinga Pinga Guajajara, a Rede de Educadores em Museus do Maranhão e apoio da Ong Justiça nos trilhos e o do Instituto Sociedade Patrimônio Natureza.

Exposições – A programação conta ainda com abertura, no dia 9 de abril, de duas exposições temporárias.

A exposição fotográfica ‘Wyra’u Haw – A grande festa’, retrata o ritual do povo indígena Guajajara, quando a menina entra no ciclo menstrual pela primeira vez e o menino entra na puberdade, na localidade de Piçarra Preta, da Terra Indígena Rio Pindaré, do município de Bom Jardim. Os trabalhos foram realizados pelo coletivo de comunicação Pinga-Pinga formado por jovens de comunidades afetadas pela atuação da empresa Vale no corredor Carajás e pela rede Justiça nos Trilhos, que atua na defesa dos direitos dessas comunidades.

A outra mostra fotográfica tem como tema, “Festas Guajajaras: Expressões da Resistência de Um Povo”. Trata das Festas do Moqueado e a Festa do Rapaz, realizada pelo Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão, IFMA – Campus Grajaú, como parte do Projeto PIBIC EM “Contos, mitos e lendas da região de Grajaú”, compreendendo três terras Indígenas diferentes: Canabrava, Arariboia e Bacurizinho.

As duas mostras irão interagir com a exposição permanente da Casa “Saberes Tradicionais e Etnografia”, idealizada em parceria com o Programa de Pós-Graduação em Cartografia Social e Politicas da Amazônia da Universidade Estadual do Maranhão (Uema), visando fortalecer o patrimônio cultural de povos e comunidades tradicionais na Pré-Amazônia e Amazônia compreendendo as comunidades indígenas dos Tremembés, Tikuna, Juruna, Kokama, Sateré, Guajajara, entre outros.

Além das exposições, a Casa do Maranhão realizará a atividade educativa ‘Oca contemporânea’. “Nesta ação pretende-se construir uma oca cenográfica com todo um contexto de elementos que expressem a importância da relação entre as tradições e os avanços da modernidade em prol de melhores condições de vida para o homem com o foco principal em valorizar a cultura indígena”, informou o diretor da Casa do Maranhão, Iguatemy Carvalho.

Também serão exibidos curtas e documentários sobre cotidiano das comunidades indígenas assim como visita mediada pelas demais exposições da Casa.