Home Notícias Saúde Vacina e exames ajudam a evitar câncer do colo do útero

Vacina e exames ajudam a evitar câncer do colo do útero

Vacina e exames ajudam a evitar câncer do colo do útero

O câncer do colo do útero já é o terceiro tumor que mais atinge a população feminina no País, ficando atrás apenas do de mama e o de intestino, além de ser a quarta causa de morte de brasileiras por câncer. A boa notícia é que dentre todos os tipos de câncer, o do colo do útero é o que apresenta um dos mais altos potenciais de prevenção e cura chegando a perto de 100% quando diagnosticado precocemente e podendo ser tratado em ambulatórios em cerca de 80% dos casos.

Como a principal causa do tumor é a presença do HPV, uma doença sexualmente transmissível causada pelo Papiloma Vírus Humano, a prevenção é mais fácil. “Existe a vacina anti-HPV, ela está disponível na rede pública gratuitamente e deve ser aplicada antes do início da vida sexual”, explica afirma a médica Angélica Nogueira, membro da Sociedade Brasileira de Oncologia Clínica. A vacinação deve acontecer em meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos.

Exames

Outra maneira de prevenir a doença é sempre realizar os exames preventivos, como o papanicolau. O exame deve ser realizado uma vez por ano por mulheres que já iniciaram a sua vida sexual, especialmente as que têm entre 25 e 59 anos.

Sintomas

O câncer do colo do útero é uma doença de desenvolvimento lento, que pode não apresentar sintomas em fase inicial. Nos casos mais avançados, pode evoluir para sangramento vaginal intermitente (que vai e volta) ou após a relação sexual, secreção vaginal anormal e dor abdominal associada a queixas urinárias ou intestinais.

Tratamento

A cirurgia, a quimioterapia e a radioterapia são as principais formas de tratamento contra o câncer oferecidas pelo Sistema Único de Saúde (SUS). O tipo dependerá do estágio de evolução da doença, tamanho do tumor e fatores pessoais, como idade da paciente e desejo de ter filhos. Quando confirmada a presença de lesão precursora, ela poderá ser tratada por meio de uma eletrocirurgia.

Com informações do Ministério da Saúde.