Home Maranhão São Luís Documentários traçam propostas para o combate à violência contra a mulher

Documentários traçam propostas para o combate à violência contra a mulher

Featured Video Play Icon

Neste Dia Internacional da Mulher (08), o jornal Bom Dia Maranhão recebeu a delegada Kazumi Tanaka, Coordenadora das Delegacias da Mulher do Estado do Maranhão, e a professora Artenira Silva, pesquisadora em Direitos Humanos da Universidade Federal do Maranhão (UFMA).

A partir desta sexta começaram a ser exibidos vídeos em forma de documentários para elaborar propostas institucionais e de políticas públicas voltadas para as mulheres. Os vídeos foram gravados por vozes maranhenses e reforçam o importante trabalho social: como o cantor maranhense Zeca Baleiro e os profissionais da comunicação Adalberto Melo e Robson Júnior.

“Nós estamos diante de um fenômeno complexo de violência de gênero. Então, é um fenômeno que passou de geração em geração e que naturalizou na nossa sociedade. É importante que nós ressignifiquemos o papel da mulher na nossa sociedade, enxerguemos a violência de um outro panorama, enxerguemos também as nossas instituições para verificar no que precisamos melhorar, modificar, no sentido de alcançar a mulher em todas essas diversidades”, disse a delegada Kazumi.

Durante quatro meses no ano passado, representantes do Poder Judiciário, Ministério Público, Policiais Civil e Militar, Defensoria Pública Estadual, Secretarias da Mulher, Saúde, Educação e Assistência e Universidades reuniram-se para debater novos caminhos para reduzir as várias formas de violências praticadas contra as mulheres.

“Nós fizemos os episódios baseados nas reuniões que nós tivemos no GTI, então nós vamos tratar da violência institucional, da importância de se visibilizar e de tratar adequadamente, tanto do ponto de vista do acolhimento da mulher, quanto do ponto de vista do sistema de justiça, a violência psicológica e moral […], nós vamos tratar da pornografia de vingança, que é um crime muito específico e que envolve peculiaridades importantes”, informou a pesquisadora Artenira.