Home Maranhão Firmado acordo para otimizar apuração judicial de infrações de trânsito

Firmado acordo para otimizar apuração judicial de infrações de trânsito

Firmado acordo para otimizar apuração judicial de infrações de trânsito

A Polícia Rodoviária Federal (PRF) passará a ser responsável direta pela lavratura de Termos Circunstanciados de Ocorrência (TCO´s) relativos a crimes de menor potencial ofensivo cometidos no âmbito das rodovias federais do Maranhão, repassando-os diretamente aos Juizados Especiais Criminais competentes, para apuração do fato em processo judicial. A parceira foi definida em reunião na última quinta-feira (28), entre o corregedor-geral da Justiça, desembargador Marcelo Carvalho Silva, o superintendente da PRF, inspetor Paulo Moreno, o presidente da Comissão de Implantação do TCO, inspetor Wilami Neponuceno, e o inspetor Clemildom da Costa Correa, membro da Comissão. Os representantes da PRF também reuniram-se com nesta quinta-feira (28) com o coordenador dos Juizados Especiais e a diretora do Fórum de São Luís, juízes João Francisco Rocha e Diva Maria de Barros.

O TCO é o procedimento realizado, conforme a Lei nº 9.099/95, para apuração das infrações penais de menor potencial ofensivo (contravenções penais e crimes a que a lei comine pena máxima não superior a 2 (dois) anos).

Antes, nos casos de ocorrências envolvendo crimes de menor potencial ofensivo nas rodovias federais – relacionados a infrações de trânsito previstas no Código de Trânsito Brasileiro (CTB) -, as informações eram repassadas às delegacias de Polícia Civil, que por sua vez lavravam os Termos e repassavam ao Judiciário. Com a mudança, a PRF lavrará diretamente os Termos nos crimes de menor potencial ofensivo (pena máxima de dois anos) ocorridos nas BR´s 135; 222; 226; 230; 316 e 402, repassando-os diretamente ao Juizado Especial Criminal competente para a área de abrangência respectiva.

De acordo com o inspetor Wilami Neponuceno, o TCO abrange as informações da ocorrência, dados do infrator e fotografias da situação, de forma a embasar a instrução processual e o convencimento do juiz. “Essa medida já existe nos outros Estados e representa um avanço no trabalho de fiscalização de trânsito, agilizando a chegada dos casos ao Judiciário”, avalia.

Segundo o corregedor-geral da Justiça, o objetivo é contribuir com a desburocratização, facilitando o trabalho da Polícia Rodoviária e levando as infrações diretamente ao conhecimento do Judiciário. “Muitas vezes, no ato de autuação, a parte já sairá devidamente intimada para comparecer em audiência de conciliação no Juizado, evitando a necessidade de deslocamento às delegacias de Polícia Civil”, observa.

O coordenador dos Juizados, juiz João Francisco Rocha Gonçalves, explica ainda que a Corregedoria vai disciplinar a matéria por meio de Provimento. “Com essa medida, a PRF poderá agir já no local da infração, o que otimiza a fiscalização e reflete na melhoria da segurança para toda a sociedade”, avalia.