Home Maranhão São Luís Sociólogo fala sobre racismo e homofobia associados às fantasias de carnaval

Sociólogo fala sobre racismo e homofobia associados às fantasias de carnaval

Featured Video Play Icon

O Supremo Tribunal Federal começou a discutir esta semana o julgamento de ações que pedem que homofobia se torne crime no Brasil. O julgamento, que já foi adiado duas vezes, envolve processos que tramitam no tribunal há sete anos. A homofobia não é um crime tipificado na legislação penal brasileira.

E, quando o assunto é preconceito de raça, você já parou pra pensar no tanto de fantasias de carnaval que podem reproduzir preconceitos contra negros e homossexuais? Se vestir de “nêga maluca” ou mesmo homens travestidos de mulheres acabam por reforçar o racismo e a homofobia.

Por isso, é preciso que o carnaval tenha um limite: o respeito. Na cultura da sociedade brasileira, os preconceitos muitas vezes se apresentam na tendência de buscar risos e chacotas a partir das formas e vestes femininas. E ao vestir fantasias que remetam à cor, gênero ou etnia, o ideal é ter bom senso. Sobre o assunto, o jornal Na Hora D recebeu o sociólogo Alderico Segundo.